Avançar para o conteúdo principal

O PROMETIDO É DEVIDO

Está prometido, não me posso escapar da 2ª edição desta prova na Serra da Lousã. Um dos organizadores é meu colega e já há muito que me disse, " este ano não te escapas!", nem que faças aquilo a andar. Tinha-lhe prometido no ano passado, não fui, nem de gatas tinha condições de a fazer. As condições são as mesmas, de gatas ou a pé, o prometido é devido!
Não me assustam os 45km em floresta e os quase 4000mts de acumulado, antes pelo contrário, é o meu habitat de excelência (a Lousã é linda e eu adoro trepar montanhas). A distância e a dureza não fosse o facto de estar com 90kg(!) e sem treino, caia que nem uma luva.
Em Janeiro se fugir da neve que de vez em quando por ali cai no mês de Janeiro, não devo escapar-me da chuva e do frio, mas felizmente as recordações que tenho dos rigores climáticos já sofridos noutras circunstâncias e desafios superiores a este, são suficientes para ficar vacinado contra o que o dia nos oferecer, pode ser neve que a adoro ver cair e não encharca tanto, mas solinho, sempre!
Tenho 8 hrs de tempo limite para concluir o empreendimento, o que em princípio dará para fazer metade a correr, metade a andar ( de gatas não dá, definitivamente). Sim, porque condições para mais não tenho e a ver vamos...
Estou a correr praticamente uma vez por semana e não mais que 1h. Ontem perdi a vergonha e lá fui para o trabalho a correr atravessando uma Lisboa animada pelos turistas, sobretudo jovens, mas de espírito natalício tristonho, o que não é habitual nesta quadra. Em anos anteriores a cidade agitava-se pelo consumo, fervilhava de alegria, música, montras fartas de gulodices tradicionais, entre outros "fetiches". Enfeitava-se de luzes multicolores das avenidas novas à baixa, subindo o velho e bonito Chiado, um espetáculo nocturno imperdível aos olhos de quem vinha à capital. Mas este ano não, está nua, as lojas vazias, as pessoas cabisbaixas, ausentes. Não querendo ser pessimista, mas isto vai durar até lá para o Verão, altura em que a malta se estica na praia e esquece momentaneamente as agruras da "condição de se ser português".
O meu treino foram 12km de Belém à Penha de França, um terço deles a subir na Almirante Reis e a finalizar com uma rampa da Calçada do Poço dos Mouros. Uma noitada a trabalhar e hoje de manhã o retorno com a mesma distancia e percurso num dia que amanheceu frio mas radioso, com a beleza do Tejo prata em fundo e um Pastél de Belém para pequeno-almoço. Grande treino urbano!
Espero conseguir fazer um treinito durante esta semana, pois apesar das exigências da quadra e do muito trabalho, ainda assim estou mais livre que o habitual. Só tenho de evitar olhar-me nas montras, pois noto sempre a barriga proeminente e um correr arrastado o que  dá-me um ar pouco atlético e um bocado à "cromo". Percebo agora porque é que a malta mais fit que corre aqui no passeio marítimo de Belém, no alto dos seus Ipod´s, dos seus nikes e dos seus "bons nomes de família", não me passa cartão, é como se dissessem " o meu caro está um bocado, balofo para tão nobre actividade, não?! Que horror!".

Comentários

Mensagens populares deste blogue

MEMÓRIAS DA SERRA DA CARREGUEIRA

( Legendo só a última fotografia - este era um tanque de água próximo do quartel onde vínhamos tomar banho no verão na esperança de vermos também umas miúdas que por lá apareciam de vez em quando)

Por vezes basta uma palavra, um encontro com uma pessoa ou o regresso a um lugar, para que a memória se abra como um livro e revele parte da história da nossa vida que afinal, ao contrário do pensamos, ainda está bem viva em nós. Foi o que me aconteceu esta semana com o convite do Luis Miguel para um treino na Serra da Carregueira - Sintra, local onde há 27 anos atrás, estive às ordens do Estado pelo período de 16 meses a cumprir o então "serviço militar obrigatório". Chamava-se na altura "Regimento de Infantaria nº 1", que incluía um dos chamados "Batalhões operacionais de primeira linha" do Exército português, o que significava, homens prontos para uma eventual intervenção militar imediata, isto apesar da guerra colonial ter acabado na altura havia 12 anos e …

A VIDA O AMOR E OS... TRILHOS

Pois é, o "Trilhos Míticos" está de volta. A vida neste tempo em que estive ausente deu as suas "voltas", os "amores" também mas os trilhos continuaram a percorrer-se, agora também de mota como podem ver nas imagens. Ficará por contar aqui as minhas voltas entre a Suiça, Áustria e Alemanha, durante o último ano e meio, a referência aos seus bonitos trilhos de montanha e lagos onde me fundi de corpo e alma ( e por lá deixei parte deste/a).  Durante muitos anos o Trilhos Míticos foi essencialmente o espaço aonde escrevia acerca das minhas aventuras desportivas, que não podendo-do recuperar as muitas histórias que tenho destas desde o inicio dos anos 90, falava das que vivia na "actualidade" e foram muitas! Mas isso mudou desde há dois anos num processo que se adivinhava há muitos mais. Como a vida é dinâmica e este blogue também, este passará a incluir todos os trilhos percorridos por mim, seja a pé, a nadar, de bicicleta, de mota, de canoa e ago…

NÃO HÁ ALMOÇOS GRÁTIS

Finisher na Maratona de Lisboa 2007
(Fotodesporto)
Depois de duas consultas no CMD ( Centro de Medicina Desportiva) com RX´s e ressonâncias na mão e algumas horas de espera, sou recambiado para uma consulta no Hospital da Cuf com o argumento de que o meu problema era "complexo". Habituado às "complexidades" da vida e sobretudo a perceber como estas alimentam as diferenças de poder e "afirmam" crenças, neste caso de que todas as opiniões médicas são prescritivas ( entre outras opiniões de "especialistas"), pensei, "já vou ficar a arder com mais uns tostões". Mas fui, não fujo ao grupo dos "crentes", mesmo que tenha consciência dos dogmas de uma ciência quase transformada em religião, e confesso que os referidos especialistas são para mim ( e para mais) uma espécie de pastores evangélicos que nos libertam sempre um "aleluia", afinal, algo existe além desta enfadonha ignorância quotidiana na qual a maioria de nós chaf…