Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Dezembro, 2012

BOM ANO DE 2013

( Formosinho - Serra da Arrábida - Foto: Velez)

A todos os leitores desde blogue, desejo um BOM ANO DE 2013. Paz, realização, fraternidade, viagens e claro, muito desporto ( em natureza de preferência)! Beijos e abraços.
O ano de 2012 não foi muito diferente do ano de 2011. Continuei com algumas dificuldades físicas, além de pouco tempo e motivação para retomar a actividade física regular. Ainda assim, entre os "altos e baixos" continuei a fazer grande parte das coisas de que gosto e pude acrescentar outras, como conhecer algumas capitais da Europa a pedalar.
No essencial foi um ano de dificuldades, sobretudo económicas, que limitaram em muito a realização de velhas aspirações que pelos vistos vão permanecer adiadas também 2013, ano que não se espera melhor que este. Não baixo os braços, luto por melhores condições de vida

A PAISAGEM NÃO TEM DONO

As mentes cinzentas do "clube da ganância" que nos (des)governa por estes dias e os de outrora ditos de "democracia" - porque antes destes assumiam-se os "dias de ditadura" - podem roubar-nos definitivamente o sorriso - e nós já tão pouco habituados a este-, a esperança no futuro da colectividade e até alguma sanidade  - e só esta garante a felicidade -. Podem aumentar os nossos ritmos e tempos de trabalho por menos rendimento, metendo  a "mais valia" no bolso transbordado dos mesmos "privilegiados". Podem draconianamente cobrar-nos impostos sem que estes se convertam em solidariedade e condições que corrijam a nossa "endémica"desigualdade de ser e ter - das mais altas da Europa- , adiando sempre o futuro. Tudo isto para alimentar "mordomias", limpar incompetências ou ilibar torpes crimes de "eleitos". Podem tornar "privado" o bem público que os nossos ascendentes pagaram como "activos"…

PEDALAR POR BERLIM ( PARTE III)

Levantei-me cedo no único dia inteiro para visitar Berlim ( no dia seguinte partiria a meio da tarde). A manhã estava tão gelada como a noite anterior e o nevoeiro persistia, mas agora esburacado por um sol que se afirmava radioso. Tinha ficado na zona de Mitte, a dois passos da Alexander Platz, local de muito comércio e onde não seria difícil encontrar uma loja de aluguer de bicicletas ( "Mitte", curiosamente o mesmo sítio onde moravam os ficcionados protagonistas de um dos meus filmes preferidos - Goobye Lenin). As lojas só abriam às 10h e por isso tive de esperar dando umas voltas pela zona. Perto, um grupo de jovens "punks" tomava o "pequeno-almoço" de vodka em algazarra e um pouco mais à frente, num local do passeio coberto de velas, flores, recortes de jornais e fotografias, assinalava-se o local onde um jovem tailandês tinha sido assassinado meses antes por neo-nazis. Lembrei-me que estava talvez na zona da cidade onde 60 anos antes os combates en…

"Arrábida da Serra ao Mar"

Um filme de Luis Quinta e Ricardo Guerreiro.

"Arrábida da Serra ao Mar :: Terminado

O Filme de 50' com o nome de "Arrábida - Da Serra ao Mar" está terminado. Foram anos de trabalho e com um esforço final de filmagens e edição neste ano de 2012. Mas o projecto chegou ao fim e estou muito satisfeito com o produto final. Este filme, não tem pessoas, nem actividades humanas, apenas aborda a vida selvagem que vive na região da Arrábida. É uma história positiva, com o que de bom existe naquele território. TODOS os animais são SELVAGENS 100%. Para já aqui fica oteaser com 1' - apresentação do filme! Em breve darei notícias sobre a sua exibição na integra." In Lusitanicus http://www.lusitanicus.blogspot.pt/ Autor: Luis Quinta

BOM NATAL

Que o desporto seja apenas o pretexto para descobrir o valor da fraternidade!
Bom Natal.
Beijos e abraços.

SÃO SILVESTRE "PIRATA" - MONSANTO

Foto: Orlando Duarte


Foto: Alberto Nunes

APRENDIZ DE MARUJO

Vento, vagalhoça, "mar da palha" encrespado. Tejo com baía de abrigo, melão maduro e vinho tinto de resgate a nado em terra firme. Salada de atum e tomate, sol e sal de curtir, boa conversa e  lição para muito marear.

Baía de Seixal a bordo do Peter Rabbit- Julho de 2012 - Foto tirada por António Neves

Pedalar por Lisboa

Pedalar por Lisboa ao domingo é descobrir os recantos improváveis que o diabólico trânsito torna difícil durante os dias da semana. É ver uma cidade como só a bicicleta permite: "cidades" dentro da "cidade veloz", intimas, a cidade das pessoas.

Nos "trilhos" do antigo Casal Ventoso. "Casas fantasma" onde ainda moram alguns fantasmas, vivos. Todo o bairro foi abaixo, sobraram as deterioradas casas "legais" do Casal Viúva Teles sobranceiro à Rua Maria Pia, mas esvaziadas de habitantes. Estão agora "arrumados" nas "casas caixa" da Quinta da Cabrinha no vale de Alcântara. A "meia laranja", a antiga "porta do bairro" e ainda centro da economia "marginal" ( como as offshores) da zona ( além dos cafés, clubes e mercearias) é ali mais à frente.

Se rebaptizasse o sítio, chamar-lhe-ia agora "Casal Vistoso ou da "Bela Vista". Imagino a original toponímia, os ventos dominantes de no…

SANTO CAPACETE

Ontem foi o dia do Santo Capacete. O resto foi, "peanuts"!



MALDITO CARUNCHO!

Já vou tendo saudades de uma coisa assim. Sobretudo repetir esta prova, das mais bonitas e duras que fiz. Maldito caruncho!

BERLIM DE BICICLETA ( PARTE II)

Quando cheguei a Berlim ao final do dia, foi como se tivesse saído do frigorífico de Amesterdão e tivesse entrado num congelador. Um homem do sul como eu, pouco habituado às temperaturas  destas latitudes sofre  um bocado até se habituar. Apesar de já ter vivido algumas destas agruras climáticas como aqui, sobretudo na tropa, nas corridas de aventura e em algumas travessias a nado ou de bicicleta ( com umas quantas situações de pré-hipotermia), a memória torna-se curta porque o calor da maior parte do ano, faz-nos esquecer a inclemência de uns quantos dias de Inverno. A norte da Europa o frio também é diferente ( e pelo que sei dura e dura e dura), não se dá por ele, é seco ao contrário do nosso e se estivermos na rua muito tempo começamos a sentir uma espécie de dormência ( diria antes "congelação") nas partes do corpo que estão expostas, felizmente não são muitas, senão.... A vantagem, é que qualquer edifício é aquecido o que é muito confortável, diria mesmo, relaxante ao…

Berlim de bicicleta ( parte I)

Dois anos depois de Hamburgo, foi agora a vez de conhecer a capital do país mais influente da Europa, pouco grato na actualidade para os portugueses, Berlim. Há muito que a cidade, sobre a qual fui lendo durante anos alguns fragmentos da sua história, exercia em mim um certo fascínio. Berlim é a cidade a partir da qual podemos melhor reflectir os efeitos do totalitarismo moderno e as suas horríveis consequências, mas também, a cidade de vanguarda dos movimentos intelectuais, culturais e artísticos da Europa do início do século XX e os contemporâneos. A minha estadia foi infelizmente demasiado curta para o poder apreciar isso em pleno. Até um dia destes... Depois de pedalar em Amesterdão por uns dias a ideia era continuar a fazê-lo em Berlim. Como disse a estadia iria ser breve e havia muito para olhar, mais do que para ver, repito, ficará para outra oportunidade. Apesar de conhecer as vantagens de me deslocar por Lisboa de bicicleta há muito, confesso que nunca o tinha experimentado …

PEDALAR EM BERLIM II