Avançar para o conteúdo principal

Um umbigo sobre rodas


Há falta de tempo e pachorra para treinos no "mato", tornei-me um especialista em deslocações de bicicleta na cidade, sobretudo no trajecto casa trabalho. Conheço pelo hábito todos os "pontos negros" do percurso que faço quase diariamente ( e não são poucos), mas muitas vezes sou surpreendido mais pelas minhas "improvisações" do que pela já conhecida má qualidade daquilo a que os nossos iluminados dirigentes do edil lisboeta teimam em chamar "ciclovia". Hoje de manhã, a rolar a bom ritmo para vencer o relógio que me dava como atrasado no "picar do ponto", salto da ciclovia para a estrada ali para os lados do Cais do Sodré e entre olhar a aproximação de um carro e alinhar-me com o alcatrão, não tirei bem as medidas ao lancil ( acho que os engenheiros da câmara também não) e "catrapimba", estatelo-me no chão! Felizmente sou experimentado nestas "quedas na máscara" ( como dizíamos na tropa quando nos tínhamos de atirar para o chão fosse aonde fosse) e saí pela frente da bicicleta. Resultado, protegi os flancos e as clavículas, mas não me livrei de moer as mãos ( sobretudo os dedos da mão esquerda)e os (já habituados) joelhos. Mas o que mais me surpreendeu veio a seguir: ainda a levantar-me do chão enquanto avaliava os "estragos", passa por mim um outro ciclista e pasme-se... não para, não pergunta se estou bem e preciso de alguma coisa, como ainda olha para o lado (só lhe faltou assobiar distraidamente). Indigno-me. Venho o resto do percurso a doer-me mais a alma que os dedos e o joelho. Não sou dado a generalizações, mas parece-me que o problema português não está na "dívida soberana" está antes num deficit de valores de entreajuda, de solidariedade, de respeito pelo próximo em suma de altruísmo. Preferimos as solidariedades espectáculo, um carneirísmo que não custa e até "fica bem" ( o saquinho do banco alimentar no supermercado, entre outros), mas somos incapazes de ajudar alguém "real" que precise ao nosso lado. Liguei o acontecimento hoje com as observações de ontem quando subia a baixa e depois a Av. da Liberdade também de bicicleta, o regresso da indigência às ruas de Lisboa. Nos anos 90,década que vivi de perto os dramas desta cidade e num período em que o dinheiro dos tais "fundos sociais europeus" ainda não tinham sido canalizados para as instituições de solidariedade e apoio social ( antes para os bolsos de alguns oportunistas) a quantidade de pessoas em situação de miséria absoluta, de abandono, de vulnerabilidade social era enorme, aspecto que fui constatando ter melhorado significativamente com o passar dos anos. Mas mais recentemente o problema parece ter voltado e em força. No que parece ser mais uma das consequências da actual "crise" da economia ( e é-o de facto) eu problematizo com o que me parece ser também uma crise de um fundamental "sentido colectivo solidário" ( usando termos do senso comum). Estimulado o "individualismo competitivo" que tanto alimentou a livre iniciativa e o consumo das massas, a crise põe a nú um individualismo mais torpe, aquele em a única vista do mundo é a do nosso umbigo.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

MEMÓRIAS DA SERRA DA CARREGUEIRA

( Legendo só a última fotografia - este era um tanque de água próximo do quartel onde vínhamos tomar banho no verão na esperança de vermos também umas miúdas que por lá apareciam de vez em quando)

Por vezes basta uma palavra, um encontro com uma pessoa ou o regresso a um lugar, para que a memória se abra como um livro e revele parte da história da nossa vida que afinal, ao contrário do pensamos, ainda está bem viva em nós. Foi o que me aconteceu esta semana com o convite do Luis Miguel para um treino na Serra da Carregueira - Sintra, local onde há 27 anos atrás, estive às ordens do Estado pelo período de 16 meses a cumprir o então "serviço militar obrigatório". Chamava-se na altura "Regimento de Infantaria nº 1", que incluía um dos chamados "Batalhões operacionais de primeira linha" do Exército português, o que significava, homens prontos para uma eventual intervenção militar imediata, isto apesar da guerra colonial ter acabado na altura havia 12 anos e …

A VIDA O AMOR E OS... TRILHOS

Pois é, o "Trilhos Míticos" está de volta. A vida neste tempo em que estive ausente deu as suas "voltas", os "amores" também mas os trilhos continuaram a percorrer-se, agora também de mota como podem ver nas imagens. Ficará por contar aqui as minhas voltas entre a Suiça, Áustria e Alemanha, durante o último ano e meio, a referência aos seus bonitos trilhos de montanha e lagos onde me fundi de corpo e alma ( e por lá deixei parte deste/a).  Durante muitos anos o Trilhos Míticos foi essencialmente o espaço aonde escrevia acerca das minhas aventuras desportivas, que não podendo-do recuperar as muitas histórias que tenho destas desde o inicio dos anos 90, falava das que vivia na "actualidade" e foram muitas! Mas isso mudou desde há dois anos num processo que se adivinhava há muitos mais. Como a vida é dinâmica e este blogue também, este passará a incluir todos os trilhos percorridos por mim, seja a pé, a nadar, de bicicleta, de mota, de canoa e ago…

NÃO HÁ ALMOÇOS GRÁTIS

Finisher na Maratona de Lisboa 2007
(Fotodesporto)
Depois de duas consultas no CMD ( Centro de Medicina Desportiva) com RX´s e ressonâncias na mão e algumas horas de espera, sou recambiado para uma consulta no Hospital da Cuf com o argumento de que o meu problema era "complexo". Habituado às "complexidades" da vida e sobretudo a perceber como estas alimentam as diferenças de poder e "afirmam" crenças, neste caso de que todas as opiniões médicas são prescritivas ( entre outras opiniões de "especialistas"), pensei, "já vou ficar a arder com mais uns tostões". Mas fui, não fujo ao grupo dos "crentes", mesmo que tenha consciência dos dogmas de uma ciência quase transformada em religião, e confesso que os referidos especialistas são para mim ( e para mais) uma espécie de pastores evangélicos que nos libertam sempre um "aleluia", afinal, algo existe além desta enfadonha ignorância quotidiana na qual a maioria de nós chaf…