Avançar para o conteúdo principal

VOLTA SALOIA


Tenho um vizinho que há uns meses topando as muitas bicicletas que tenho penduradas na varanda e com a confiança de filhos da mesma idade em comum a frequentar um programa de ocupação de tempos livres, chegou por perto e perguntou-me, " então o senhor é ciclista?! É que eu também dou umas voltas". Custa-me repetir sempre a mesma lenga lenga, tanto que não é o único que inquire, " então, tens andado de bina?", ou ainda quem mais "clinicamente" observa, "epá, essa barriga diz-me que tens faltado aos treinos..."A resposta é mais ou menos a mesma, apenas com ligeiras variações de estilo, até para não parecer que o meu notado sedentarismo é uma fatalidade, um caso sem remédio ou ainda um guião monótono. Para o meu vizinho disse-lhe que sim, que gosto de bicicletas desde pequenino e por isso conservo-as, que vou para o trabalho de vez em quando a pedalar, que já fiz umas coisas engraçadas na vida como Triatlos, Corridas de Aventura, travessias de BTT em caiaque e a nadar, maratonas e ultras de tudo um pouco ( até maratonas de má vida em tempos idos), etc e tal. Que outrora fui um assíduo adepto dos treinos diários e bi-diários, mas que neste momento e vão "prai" dois anos a "máquina emperrou". "Emperrou...assim como?", assim como...acordar e ter pouca vontade para fazer o que considerei até então "uma filosofia de vida", uma saudável rotina, um feliz estado de alma. "Então temos de dar uma volta para dar a volta a isso", disse brincalhão e deu-me o numero de telefone.
Sou um "bicho do mato", a preguiça teima em dormir comigo e por isso levei algum tempo a dar resposta ao simpático gesto. No sábado, talvez "motivado" pelas sucessivas "provocações" da minha filhota, " pai estás gordo mas eu gosto de ti na mesma", lá venci a indiferença, " o amigo Jorge, vai pedalar amanhã?!"
Lá fomos pela fresca, eu com a bicicleta de estrada quase sem uso vai para dois anos, ele com uma BTT adaptada ao alcatrão. A volta foi entre Belém e o cruzamento para o Cabo da Roca, 3h e pouco e 76km feitos, com direito a paragem para um café e um bolinho na Malveira da Serra.  "Entrementes" , uma Estrada Marginal sempre bonita e perigosa para as duas rodas, praias coloridas cheias de veraneantes, cheirinho a mar e férias. Um Guincho ventoso com a Serra de Sintra e o Cabo da Roca ao fundo, um postal eterno deste cantinho bonito cheio de pessoas feias. Trepar para depois descer com "vistas largas" até à Arrábida , sentir-me vivinho da silva na liberdade do pedalar. Que maravilha a "volta saloia"!



Comentários

Quem me dera saber pedalar assim para poder dar voltas dessas.

E sim, com alguém a desafiar-nos e termos companhia, é um nadinha mais fácil, mas, e tu sabes perfeitamente, a nossa vontade vence tudo, o problema é quando ela anda a meio gás...

Beijinho Zen e toca a mexer em Agosto!
Zen disse…
Olá Ana

Um dia destes combinamos uma "volta saloia", li sobre o teu interesse em andares mais vezes sobre duas rodas. Pois, "isto quando a cabeça não tem juízo o corpo é que paga".
Bem preciso de mexer-me.
Obrigado pelos "mimos".
Beijinhos

Mensagens populares deste blogue

MEMÓRIAS DA SERRA DA CARREGUEIRA

( Legendo só a última fotografia - este era um tanque de água próximo do quartel onde vínhamos tomar banho no verão na esperança de vermos também umas miúdas que por lá apareciam de vez em quando)

Por vezes basta uma palavra, um encontro com uma pessoa ou o regresso a um lugar, para que a memória se abra como um livro e revele parte da história da nossa vida que afinal, ao contrário do pensamos, ainda está bem viva em nós. Foi o que me aconteceu esta semana com o convite do Luis Miguel para um treino na Serra da Carregueira - Sintra, local onde há 27 anos atrás, estive às ordens do Estado pelo período de 16 meses a cumprir o então "serviço militar obrigatório". Chamava-se na altura "Regimento de Infantaria nº 1", que incluía um dos chamados "Batalhões operacionais de primeira linha" do Exército português, o que significava, homens prontos para uma eventual intervenção militar imediata, isto apesar da guerra colonial ter acabado na altura havia 12 anos e …

NÃO HÁ ALMOÇOS GRÁTIS

Finisher na Maratona de Lisboa 2007
(Fotodesporto)
Depois de duas consultas no CMD ( Centro de Medicina Desportiva) com RX´s e ressonâncias na mão e algumas horas de espera, sou recambiado para uma consulta no Hospital da Cuf com o argumento de que o meu problema era "complexo". Habituado às "complexidades" da vida e sobretudo a perceber como estas alimentam as diferenças de poder e "afirmam" crenças, neste caso de que todas as opiniões médicas são prescritivas ( entre outras opiniões de "especialistas"), pensei, "já vou ficar a arder com mais uns tostões". Mas fui, não fujo ao grupo dos "crentes", mesmo que tenha consciência dos dogmas de uma ciência quase transformada em religião, e confesso que os referidos especialistas são para mim ( e para mais) uma espécie de pastores evangélicos que nos libertam sempre um "aleluia", afinal, algo existe além desta enfadonha ignorância quotidiana na qual a maioria de nós chaf…

A VIDA O AMOR E OS... TRILHOS

Pois é, o "Trilhos Míticos" está de volta. A vida neste tempo em que estive ausente deu as suas "voltas", os "amores" também mas os trilhos continuaram a percorrer-se, agora também de mota como podem ver nas imagens. Ficará por contar aqui as minhas voltas entre a Suiça, Áustria e Alemanha, durante o último ano e meio, a referência aos seus bonitos trilhos de montanha e lagos onde me fundi de corpo e alma ( e por lá deixei parte deste/a).  Durante muitos anos o Trilhos Míticos foi essencialmente o espaço aonde escrevia acerca das minhas aventuras desportivas, que não podendo-do recuperar as muitas histórias que tenho destas desde o inicio dos anos 90, falava das que vivia na "actualidade" e foram muitas! Mas isso mudou desde há dois anos num processo que se adivinhava há muitos mais. Como a vida é dinâmica e este blogue também, este passará a incluir todos os trilhos percorridos por mim, seja a pé, a nadar, de bicicleta, de mota, de canoa e ago…