Avançar para o conteúdo principal

SUBAM LÁ ACIMA A IDANHA...



" Subam lá acima a Idanha
Até as silvas dão rosas..."


Esta fotografia é do tempo em que a equipa do CAB "comia CP´s ao pequeno almoço" e estava, como foi no caso do Estoril XPD de 2008, quase 60 horas em prova "como quem limpa o rabiosque a meninos" ( ou qualquer basófia do género, porque na verdade uma Corrida de Aventura com esta duração, são uns quantos "ironmans" ao quadrado). Os tempos agora são outros, não de tanto "comer" CP´s mas "comida portuguesa", há uns quilos a mais e os outrora "meninos(as), tornaram-se agora uns "quase" (para não ofender susceptibilidades), "curtidos" quarentões e cinquentões. Apesar destes avanços "históricos" ( coisas da imparável marcha do tempo), as Corridas de Aventura ainda contam com a presença do CAB e aqueles que teimosamente as organizam (com uma "overdose" de boa vontade) recebem a "equipa do Barreiro", sempre com uma "privilegiada" simpatia, que nós naturalmente esperamos retribuir.
Foi na certeza que as paixões nunca morrem ( apenas nascem outras) que subimos "lá acima a Idanha" pela terceira vez com esta equipa, onde afinal nem todas "as silvas dão rosas", mas quase, tal é a beleza da região beirã, que esquecermos os efeitos, sobretudo nas pernas e braços, desta planta espinhosa que por ali abunda. Como dizia ( e espero que com tantos "soluços" no texto, tenham a paciência de o ler até ao fim), o CAB chegou este Raid de Aventura de Idanha com o mesmo espírito das anteriores vezes em que por ali correu, pedalou e pagaiou: dar o "coiro e o cabelo" nas sete etapas da prova distribuídas pelo Sábado e Domingo, com Oripedestre, OriBTT, Canoagem, cordas e jogos tradicionais. Um belo "petisco" com aproximadamente 200km para 18horas de prova. No final esperava-nos um convívio almoço com distribuição de prémios, "brinde" a que as boas organizações da ADFA ( Associação dos Deficientes das Forças Armadas) nos habituaram há muito.
Vamos à prova: fomos os quatro com a intenção de ficar um na assistência e os restantes a "curtir" o mapa. No entanto o "figurino" desta CA tinha apenas dois escalões, o de Promoção, que reduz distâncias e duração para permitir a captação de novos "aventureiros" e o de Aventura, para os mais experientes ( no tempo em que as CA´s estavam em "grande", havia ainda o da "elite masculina" e "mista" e estes obrigavam a que os elementos estivessem sempre em prova, eram portanto os escalões mais competitivos). Nos regulamentos actuais o escalão de "Aventura" têm dois elementos em prova e um na assistência, podendo a equipa trocar de elemento em cada final etapa ou mesmo, no caso de etapas circulares como scores, jogos, cordas ou canoagem, implicar a participação dos três. No nosso caso, um dos elementos nada faria, enquanto os outros três alternariam no decorrer da prova. Pareceu-nos pasmaceira a mais, para gente que "comeu CP´s ao pequeno almoço" e propusemos à organização a constituição de duas equipas de Aventura, até porque, a etapas eram circulares ( começavam e acabavam todas no mesmo sítio) e por isso o problema da assistência, quando temos de levar a logística da equipa de um lado para o outro, estava resolvido com a permanência no mesmo local. E foi desta forma, com a "dolorosa" certeza que, ao contrário das outras equipas, teríamos um empeno "contínuo" pelos dois dias de prova, que partimos os quatro ( divididos em duas equipas) para a primeira etapa, uma Oripedestre que teve início na bonita localidade de Penha Garcia, zona por onde andaríamos até às 23hrs desse mesmo dia.
A zona de Penha Garcia revelou-se uma extraordinária surpresa. Declive quanto baste, beleza natural até ao "tutano"e horizontes que se estendiam da Serra da Malcata à da Gardunha no lado oposto. Da bonita etapa de Opedestre de aproximadamente 20km, saltamos para a etapa seguinte, uma OBTT com 43km a realizar na herdade do Vale Feitoso, palco do recente Campeonato da Europa de OriBTT, um quase Parque Natural que se estende dali até à fronteira espanhola e onde se avistam diferentes espécies animais selvagens, como cabras, veados e grifos. Seria, mas com mais árvores parecida com a paisagem da etapa anterior, em altitude, sobranceira sobre as bonitas planície beirãs e as suas aldeias e muitas serras até onde a vista alcança, as que já referi, mas também a Estrela e a Sierra Gata em terras de Espanha.
Para quem como eu ultimamente pedala pouco, mas sobretudo porque acusa mais desgaste ( a idade não perdoa) o BTT foi um etapa muito dura, sobretudo para as minha lombar que tratou de se queixar nas etapas seguintes, como foi o caso da de canoagem+ cordas+ score+ jogos tradicionais onde as actividades de cordas foram para esquecer. Este corpanzil, em condições, não se dá com escaladas e tirolesas, em estado de lombalgia em que me encontrava, muito menos, é um sofrimento! Fiquei-me só pelo Rappel, o meu irmão, rijo, pelo pleno. Fizemos ainda uns quantos pontos no score e a canoagem foi à vida, curiosamente uma das disciplinas onde habitualmente "estamos acima da média", má estratégia portanto, mesmo queixoso, tenho a certeza que íamos buscar mais uns CPs. A etapa seguinte, uma Opedestre de 12km tornou-se insuportável para mim, foi com uma grande alegria que a terminei, correr num terreno irregular, era coisa de masoquista.
Entretendo a noite caíra e com ela toda a região mergulhou no Inverno. Estava de facto frio, mas suportava-se com roupa quente, já passámos por muito pior com as "célebres" temperaturas negativas do XPD e de Chaves. Apesar do cansaço de um dia sempre em prova e da escassa alimentação, combustível necessário para estas coisas de "longa duração", o BTT seguinte de 37km ( na melhor opção entre todos os CP´s, distância que apenas as equipas que fazem o pleno cumprem) foi feito sempre a "abrir", e só não deu melhores resultados porque a pouca luz nas bicicletas não permitia "ver um boi" a 10 mts de distância. Lembrei-me das muitas etapas nocturnas que fiz nestas condições: frio, fome, cansaço, pés e corpo molhado e aquele pensamento negativo persistente, que estaria bem melhor debaixo de um duche quente, a comer uma iguaria qualquer e/ou deitado na minha cama confortável. Mas o que é que me faz regressar ao que até parece não me fazer feliz? É precisamente compreendendo que este é um ingrediente fundamental para entender essa mesma felicidade! É isso que me faz voltar! É entre outras coisas ( que não interessa agora estar a racionalizar), o pedalar de noite sob um céu infinitamente estrelado a ouvir os misteriosos e sábios murmúrios da natureza e respirar um ar tão puro que ferem os pulmões poluídos deste "animal urbano" há mais de quatro décadas. É qualquer coisa que recomendo, vivamente!
Depois de mais de 14 horas em prova e de um banho quente, "desliguei todos os circuitos" assim que puxei o fecho do saco de cama num pavilhão desportivo de uma escola de Idanha que mais parecia uma arca congeladora em ponto grande. O cansaço era tanto que, se no dia estivesse "congelado", não faria mal, pelo menos tinha dormido "a noite de justos".
Às 7h30 era a hora de começo da primeira etapa do dia seguinte, desta vez em Proença a Velha. Mantinha-se o modelo circular da prova do dia anterior e nós mantínhamos o "non stop", valentes! Uma Opedestre com 12km e uma OBTT com 26, fariam as mais de 17hrs de prova para as duas equipas do CAB que mesmo apesar de terem dois excelentes navegadores, não quiseram deixar de fazer o "brilharete" de rebentarem a última etapa, colocando-nos no fim da tabela classificativa ( os "dois excelentes navegadores" é mesmo a sério!). Nada que beliscasse a alegria de podermos estar de volta às Corridas de Aventura  e muito menos abalou a convicção de repetiremos estas "doses" devez em quando.
Mais uma boa organização da ADFA numa região onde tenho parte das minhas raízes familiares e aonde, cada vez que regresso, apetece-me ficar mais ainda.
Até breve!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

MEMÓRIAS DA SERRA DA CARREGUEIRA

( Legendo só a última fotografia - este era um tanque de água próximo do quartel onde vínhamos tomar banho no verão na esperança de vermos também umas miúdas que por lá apareciam de vez em quando)

Por vezes basta uma palavra, um encontro com uma pessoa ou o regresso a um lugar, para que a memória se abra como um livro e revele parte da história da nossa vida que afinal, ao contrário do pensamos, ainda está bem viva em nós. Foi o que me aconteceu esta semana com o convite do Luis Miguel para um treino na Serra da Carregueira - Sintra, local onde há 27 anos atrás, estive às ordens do Estado pelo período de 16 meses a cumprir o então "serviço militar obrigatório". Chamava-se na altura "Regimento de Infantaria nº 1", que incluía um dos chamados "Batalhões operacionais de primeira linha" do Exército português, o que significava, homens prontos para uma eventual intervenção militar imediata, isto apesar da guerra colonial ter acabado na altura havia 12 anos e …

NÃO HÁ ALMOÇOS GRÁTIS

Finisher na Maratona de Lisboa 2007
(Fotodesporto)
Depois de duas consultas no CMD ( Centro de Medicina Desportiva) com RX´s e ressonâncias na mão e algumas horas de espera, sou recambiado para uma consulta no Hospital da Cuf com o argumento de que o meu problema era "complexo". Habituado às "complexidades" da vida e sobretudo a perceber como estas alimentam as diferenças de poder e "afirmam" crenças, neste caso de que todas as opiniões médicas são prescritivas ( entre outras opiniões de "especialistas"), pensei, "já vou ficar a arder com mais uns tostões". Mas fui, não fujo ao grupo dos "crentes", mesmo que tenha consciência dos dogmas de uma ciência quase transformada em religião, e confesso que os referidos especialistas são para mim ( e para mais) uma espécie de pastores evangélicos que nos libertam sempre um "aleluia", afinal, algo existe além desta enfadonha ignorância quotidiana na qual a maioria de nós chaf…

SE CÁ NEVASSE FAZIA-SE CÁ SKI

Zé Neves a fazer SKU desde 2010 (sempre a descer)!

Salada de frutas - Se cá nevasse fazia-se cá ski
"Sebastião cá voltasse
Se a moleza se cansasse
Se o Eusébio 'inda jogasse
Ai que fintas que ele faria um dia...
Se o imposto não subisse
Se o emprego não fugisse
Se o presidente sorrisse
Outro galo cantaria um dia...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se...fazia-se...

Há sempre um "se" no caminho
Que me deixa as mãos tão presas
Se eu cortasse o "se" daninho
Talvez me livrasse das incertezas...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se...fazia-se..."