Avançar para o conteúdo principal

22ª MARATONA DE LISBOA - 2007



Foto: Atletismo Modalidades Amadoras

No sábado, a degustar um tinto "Serras de Azeitão" ( não é de 5***** mas tem uma boa relação preço qualidade), a moer um bife com um ovo a "cavalo" acompanhado de umas batatas fritas, questionava-me: " será possível que amanhã vá fazer uma maratona?". Aquela não era certamente a melhor alimentação para um atleta na véspera de uma prova desta distância, muito menos o líquido a ingerir. O que me safa nestas situações é que me desculpo sempre com o facto de não ser um "purista" ( muito menos um maratonista) com a vantagem de no 2º copo já me ter livrado de vez de todos os sentimentos contrictos passando doçemente para os mais beatíficos. Afinal, asneiras óbvias à parte, nada que já não fizera antes como por exemplo um recente divinal arroz de sarabulho "regado" com um verde tinto antes da ultramaratona " Caminhos de Santiago", ou ainda, uma "sopa da panela" antes de um duatlo no Alentejo, estes os mais memoráveis ( pela extraordinária experiência gastronómica).
"Empurrado" ( sim foi uma "violência") da cama para uma manhã fria e para 42km a correr, não parecia estar nestes meus planos domingueiros. Ainda a recuperar das "tareias" mais recentes, pensava: "vou arrastar-me durante umas 4hrs e regresso a casa com umas bolhas nos pés", seria preferível ficar a ler um "jornaleco" e a brincar com a minha petiza como um bom gatarão manso a desfrutar de uma rara oprtunidade de preguiça.
Viagem mais ecológica e económica entre as margens ( afinal Lisboa está a escassos 25 minutos da minha casa)e entro directamente na "festa de uma maratona"e... " good vibrations...". Eu que queria ficar em casa... " o burro sou eu?!". Depois das pomadinhas, pensos rápidos, dorsais e outros rituais, lá começa a "coisa"... colorida, alegre, festiva... a 22ª Maratona de Lisboa.
Primeiros quilómetros na companhia de um bem-disposto camarada de aventuras, depois até ao km 29 a não menos bem-humorada companhia do Paulo Mota e da Clarinda Santos ( antes ainda o Sequeira até à 1/2 maratona), momento em que com alguma "frescura", decido "perseguir" uma loiraça sul-africana que me escapou na Praça do Comércio ( pelos vistos mais fresca que eu). Depois... bem, a nórdica de África "pirou-se" ( não disse que a menina tinha mais pernas!) mas eu já estava a "partir o alcatrão todo" ( lembram-se desta frase do António Pinto numa 1/2 Maratona de Lisboa há uns anos?) até à meta. Ah, já me esquecia, nos últimos quilómetros ainda cumprimentei o "ultrabaldas" e o Tigre ( os nicks de uns cromos de um fórum de atletismo), que já me tinham sorrido à distância uns quilómetros atrás.
Avaliação da prova: no geral positiva, se bem que continue a achar que a maratona da capital portuguesa merecia ser um evento de carácter internacional, não pelo número de estrangeiros participantes, mas pela qualidade exigida a este nível. ( que ainda não tem a meu ver)."
Classificação:425º José Neves (Lebres do Sado) 3.43.15

Comentários

Lénia disse…
Parabéns Zen, por mais uma Maratona!

E já agora, um 2008 cheio de saúde, suor e muita alegria.

Beijos,

Lénia

Mensagens populares deste blogue

MEMÓRIAS DA SERRA DA CARREGUEIRA

( Legendo só a última fotografia - este era um tanque de água próximo do quartel onde vínhamos tomar banho no verão na esperança de vermos também umas miúdas que por lá apareciam de vez em quando)

Por vezes basta uma palavra, um encontro com uma pessoa ou o regresso a um lugar, para que a memória se abra como um livro e revele parte da história da nossa vida que afinal, ao contrário do pensamos, ainda está bem viva em nós. Foi o que me aconteceu esta semana com o convite do Luis Miguel para um treino na Serra da Carregueira - Sintra, local onde há 27 anos atrás, estive às ordens do Estado pelo período de 16 meses a cumprir o então "serviço militar obrigatório". Chamava-se na altura "Regimento de Infantaria nº 1", que incluía um dos chamados "Batalhões operacionais de primeira linha" do Exército português, o que significava, homens prontos para uma eventual intervenção militar imediata, isto apesar da guerra colonial ter acabado na altura havia 12 anos e …

NÃO HÁ ALMOÇOS GRÁTIS

Finisher na Maratona de Lisboa 2007
(Fotodesporto)
Depois de duas consultas no CMD ( Centro de Medicina Desportiva) com RX´s e ressonâncias na mão e algumas horas de espera, sou recambiado para uma consulta no Hospital da Cuf com o argumento de que o meu problema era "complexo". Habituado às "complexidades" da vida e sobretudo a perceber como estas alimentam as diferenças de poder e "afirmam" crenças, neste caso de que todas as opiniões médicas são prescritivas ( entre outras opiniões de "especialistas"), pensei, "já vou ficar a arder com mais uns tostões". Mas fui, não fujo ao grupo dos "crentes", mesmo que tenha consciência dos dogmas de uma ciência quase transformada em religião, e confesso que os referidos especialistas são para mim ( e para mais) uma espécie de pastores evangélicos que nos libertam sempre um "aleluia", afinal, algo existe além desta enfadonha ignorância quotidiana na qual a maioria de nós chaf…

A VIDA O AMOR E OS... TRILHOS

Pois é, o "Trilhos Míticos" está de volta. A vida neste tempo em que estive ausente deu as suas "voltas", os "amores" também mas os trilhos continuaram a percorrer-se, agora também de mota como podem ver nas imagens. Ficará por contar aqui as minhas voltas entre a Suiça, Áustria e Alemanha, durante o último ano e meio, a referência aos seus bonitos trilhos de montanha e lagos onde me fundi de corpo e alma ( e por lá deixei parte deste/a).  Durante muitos anos o Trilhos Míticos foi essencialmente o espaço aonde escrevia acerca das minhas aventuras desportivas, que não podendo-do recuperar as muitas histórias que tenho destas desde o inicio dos anos 90, falava das que vivia na "actualidade" e foram muitas! Mas isso mudou desde há dois anos num processo que se adivinhava há muitos mais. Como a vida é dinâmica e este blogue também, este passará a incluir todos os trilhos percorridos por mim, seja a pé, a nadar, de bicicleta, de mota, de canoa e ago…