Avançar para o conteúdo principal

DESISTIR?! NUNCA!


Mais de seis anos separam esta imagem tirada por mim dentro de um moinho na Serra do Louro ( entretanto recuperado). Anos de muitas aventuras e desventuras, altos e baixos ( não é assim a vida?!). 
Recordo-me bem desta caminhada a solo pela Arrábida ( como eu amo esta Serra!) e de outras então. Recuperava por estes dias de uma grave lesão nos dois joelhos provocada por, após um longo período de paragem, ter voltado a treinar e logo com afinco, para uma emblemática prova que havia sido reeditada em 2005: a Ultra Maratona Melides Tróia ( que desde então não mais foi interrompida). O tal "tempo perdido" tentei resgatá-lo à pressa e logo nos areais da Fonte da Telha, Apostiça e Lagoa de Albufeira, cenário "ideal" para treinos longos acima dos 20km. O resultado ficou à vista, sem um adequado reforço muscular e articular, capacidade cardiorespiratória, os treinos intensos na areia deixaram-me ao fim de dois meses com dores nos joelhos, que de "moinhas" (  ignoradas ao inicio) passaram muito rapidamente a "insuportáveis". O diagnóstico no Hospital Militar não tardou: "condromalácia patelar" ( nome pomposo como esternocleidomastoideu). A recuperação essa, adivinhava-se longa, penosa e na voz de clínicos mais cépticos, talvez impossível. 
Após o desalento inicial, não desisti. Disciplinei-me interiormente para tornar o suposto "impossível" em "possível" ( bolas, falta-me agora essa determinação) e por isso cumpri "à risca" a fisioterapia com reforço muscular, medicação, uma boa alimentação, nadei para não perder massa muscular e mais tarde, quando  os meus joelhos já não estavam presos por arames, marchei, na Arrábida, na Mata da Machada, na Serra de Sintra e no "local do crime", as bonitas arribas da Fonte da Telha! Retiro por isso uma palavra do cardápio da psicologia que pode (passo a redundância) explicar o que se passou: motivação! Intrínseca, ao focar o pensamento na realidade, no essencial ( e não no acessório), no lado positivo da experiência presente, nos ganhos desta no passado e na garantia dos seus efeitos futuros e também extrínseca, vinda de amigos, companheiros da corrida e familiares, apoio este, tão decisivo como o autoregulado.  Isso foi suficiente para voltar a ser o "corredor" que sempre fui ( apesar das interrupções mais ou menos longas ao longo da vida, algumas com consequências irrecuperáveis para a saúde) no apologista do desporto que sempre serei ( mesmo no dia em que não possa ser praticante).
Seis anos passaram após este ( entre muitos) êxtase arrabidino! Talvez, como no passado, tenha de reformular alguns valores, atitudes, entendimentos... Como costumo dizer, "baralhar e dar de novo"! No fundo, já fiz tanto e tão diverso, sempre com a mesma paixão de estar na vida pela descoberta, pelo prazer da superação dos tais "limites" ( ilimitados digo eu), pelo convívio e respeito pela diferença que serei mais uma vez capaz, sim. Desistir?! Nunca!








Comentários

De tudo que nos faz sentir bem, de tudo o que nos torna verdadeiramente vivos e felizes...desisir nunca! (mesmo que essas coisas...que nos fazem sentir bem, nos tornam verdadeiramente vivos e felizes) se alterem ao longo da vida, pois por certo assim será, mas...isto é como o Amor: enquanto dura, é eterno! Por isso, de tudo o que amamos - hoje - desistir "nunca" :)

Beijinho Zen!

Mensagens populares deste blogue

MEMÓRIAS DA SERRA DA CARREGUEIRA

( Legendo só a última fotografia - este era um tanque de água próximo do quartel onde vínhamos tomar banho no verão na esperança de vermos também umas miúdas que por lá apareciam de vez em quando)

Por vezes basta uma palavra, um encontro com uma pessoa ou o regresso a um lugar, para que a memória se abra como um livro e revele parte da história da nossa vida que afinal, ao contrário do pensamos, ainda está bem viva em nós. Foi o que me aconteceu esta semana com o convite do Luis Miguel para um treino na Serra da Carregueira - Sintra, local onde há 27 anos atrás, estive às ordens do Estado pelo período de 16 meses a cumprir o então "serviço militar obrigatório". Chamava-se na altura "Regimento de Infantaria nº 1", que incluía um dos chamados "Batalhões operacionais de primeira linha" do Exército português, o que significava, homens prontos para uma eventual intervenção militar imediata, isto apesar da guerra colonial ter acabado na altura havia 12 anos e …

A VIDA O AMOR E OS... TRILHOS

Pois é, o "Trilhos Míticos" está de volta. A vida neste tempo em que estive ausente deu as suas "voltas", os "amores" também mas os trilhos continuaram a percorrer-se, agora também de mota como podem ver nas imagens. Ficará por contar aqui as minhas voltas entre a Suiça, Áustria e Alemanha, durante o último ano e meio, a referência aos seus bonitos trilhos de montanha e lagos onde me fundi de corpo e alma ( e por lá deixei parte deste/a).  Durante muitos anos o Trilhos Míticos foi essencialmente o espaço aonde escrevia acerca das minhas aventuras desportivas, que não podendo-do recuperar as muitas histórias que tenho destas desde o inicio dos anos 90, falava das que vivia na "actualidade" e foram muitas! Mas isso mudou desde há dois anos num processo que se adivinhava há muitos mais. Como a vida é dinâmica e este blogue também, este passará a incluir todos os trilhos percorridos por mim, seja a pé, a nadar, de bicicleta, de mota, de canoa e ago…

NÃO HÁ ALMOÇOS GRÁTIS

Finisher na Maratona de Lisboa 2007
(Fotodesporto)
Depois de duas consultas no CMD ( Centro de Medicina Desportiva) com RX´s e ressonâncias na mão e algumas horas de espera, sou recambiado para uma consulta no Hospital da Cuf com o argumento de que o meu problema era "complexo". Habituado às "complexidades" da vida e sobretudo a perceber como estas alimentam as diferenças de poder e "afirmam" crenças, neste caso de que todas as opiniões médicas são prescritivas ( entre outras opiniões de "especialistas"), pensei, "já vou ficar a arder com mais uns tostões". Mas fui, não fujo ao grupo dos "crentes", mesmo que tenha consciência dos dogmas de uma ciência quase transformada em religião, e confesso que os referidos especialistas são para mim ( e para mais) uma espécie de pastores evangélicos que nos libertam sempre um "aleluia", afinal, algo existe além desta enfadonha ignorância quotidiana na qual a maioria de nós chaf…