Avançar para o conteúdo principal

A AMIZADE


Tens razão Tigre, eu também acho que a amizade é a única substância que não sofre a erosão do tempo ( o resto nota-se nos cabelos brancos, nas barriguitas :-).

Obrigado pelo convite para treinar em Monsanto, confesso que há muito que não me sentia tão "livre" ( tentei o fazer o mesmo hoje mas o máximo que consegui foi correr durante uns sofridos 30m). Ah, e a cervejola num final de tarde com quase 30º, foi de mestre! 

Um relato facebookiano de algumas memórias comuns ( faltam outras tantas que ainda havemos de "pôr no papel") escrita pelo camarada Luís Miguel que tenho o prazer e a honra de partilhar aqui no Trilhos.

Forte abraço Tigre.

"Diz algo sobre a foto ? Digo pois ! Então toma lá ò Facebook :

Digo que havia um tempo que aos fins de semana treinava no Monsanto um grupo mais ou menos numeroso (tinha alturas...) que viria a ser apelidado dos "bebe-chás" (de limão), pois a agua de vialonga ainda não tinha entrado no cardápio...

Um grupo que um dia se lembrou de fazer o GP Fim da Europa em versão dobrada - 35 kms - sendo hoje quase um lugar comum a quem demanda o GP Fim da Europa, mas na altura juntou 25 maduros numa manhã chuvosa e até mobilizou um alentejano que muito espantado ficou quando soube que depois de tal empeno ainda teria de ir à "periquita". A dos travesseiros pois, mas no Alentejo não havia tal doçaria e o homem estava em pânico com a perspectiva de esforços mais do dobrados, redobrados;
Um grupo que muito antes de fazer de haver essa coisa apelidada de Urban Trail (que barbaridade este angliscismo ! brr !!!) começou a fazer treinos nocturnos em plena Lisboa à 01h00 e alguns deles,a maioria mesmo, temáticos;
Um grupo que enquanto se dirigia de comboio para Cascais já perto de meia noite, precisamente para iniciar lá em Cascais um treino até Lisboa, via marginal, se lembrou que no ano seguinte era bom que fossemos a Ronda - coisa impensável à altura, pois 100kms eram uma barbaridade;
O mesmo grupo que achava normalíssimo fazer 4 maratonas de estrada por ano, quando o bom senso e os especialistas recomendavam apenas uma e muito eventualmente duas por ano e bem espaçadas:
O mesmo grupo que esteve presente nas primeira edições da Serra da Freita;O mesmo grupo, nem todos, que tiveram nas primeiras edições do Caminho de Santiago logo depois de ter saído da Maratona de Paris; O mesmo grupo que derivou do antigo fórum atletas.net e que indirectamente ou directamente levou ao aparecimento do fórum O Mundo da Corrida e até, de certa maneira ao surgimento da Associação com o mesmo nome; O mesmo grupo que um dia se mobilizou para ajudar dois companheiros a fazerem Lisboa-Fátima (e que aventura foi ...); 
O mesmo grupo que, de certa maneira e perdoem-me a imodestia, lançou, ainda sem que de tal realmente tivesse consciência, as sementes de tantos eventos não oficias que hoje pululam pelo FB e provavelmente até de algumas provas ditas "loucas".
Tal como o famoso slogan que de tantos em tantos anda por aí por aí em cartazes em cidade e meia: "Eu (e outros) fuí !"
E poderia continuar, mas fico-me por algo que nunca passa, que perdura muito para além das provas, da performance mais ou menos atlética de cada um de nós, dos eventos, dos fóruns, das provas, das rugas, dos cabelos esbranquiçados, das barriguitas :

A amizade !"

Luis Miguel - Tigre

Comentários

Jorge Branco disse…
Levo 33 anos de ligação com a corrida e o que ganhei de mais valioso neste tempo todo? AMIGOS! Grandes amigos! Amigos para a vida! Amizades que nalguns casos vão muito para além da esfera da corrida.
Gosto da tua postura de corredor e de homem de muitos saberes e cultura. As tuas atitudes são o melhor cartão de apresentação e mais valia. Obrigado pela partilha.

Mensagens populares deste blogue

MEMÓRIAS DA SERRA DA CARREGUEIRA

( Legendo só a última fotografia - este era um tanque de água próximo do quartel onde vínhamos tomar banho no verão na esperança de vermos também umas miúdas que por lá apareciam de vez em quando)

Por vezes basta uma palavra, um encontro com uma pessoa ou o regresso a um lugar, para que a memória se abra como um livro e revele parte da história da nossa vida que afinal, ao contrário do pensamos, ainda está bem viva em nós. Foi o que me aconteceu esta semana com o convite do Luis Miguel para um treino na Serra da Carregueira - Sintra, local onde há 27 anos atrás, estive às ordens do Estado pelo período de 16 meses a cumprir o então "serviço militar obrigatório". Chamava-se na altura "Regimento de Infantaria nº 1", que incluía um dos chamados "Batalhões operacionais de primeira linha" do Exército português, o que significava, homens prontos para uma eventual intervenção militar imediata, isto apesar da guerra colonial ter acabado na altura havia 12 anos e …

A VIDA O AMOR E OS... TRILHOS

Pois é, o "Trilhos Míticos" está de volta. A vida neste tempo em que estive ausente deu as suas "voltas", os "amores" também mas os trilhos continuaram a percorrer-se, agora também de mota como podem ver nas imagens. Ficará por contar aqui as minhas voltas entre a Suiça, Áustria e Alemanha, durante o último ano e meio, a referência aos seus bonitos trilhos de montanha e lagos onde me fundi de corpo e alma ( e por lá deixei parte deste/a).  Durante muitos anos o Trilhos Míticos foi essencialmente o espaço aonde escrevia acerca das minhas aventuras desportivas, que não podendo-do recuperar as muitas histórias que tenho destas desde o inicio dos anos 90, falava das que vivia na "actualidade" e foram muitas! Mas isso mudou desde há dois anos num processo que se adivinhava há muitos mais. Como a vida é dinâmica e este blogue também, este passará a incluir todos os trilhos percorridos por mim, seja a pé, a nadar, de bicicleta, de mota, de canoa e ago…

NÃO HÁ ALMOÇOS GRÁTIS

Finisher na Maratona de Lisboa 2007
(Fotodesporto)
Depois de duas consultas no CMD ( Centro de Medicina Desportiva) com RX´s e ressonâncias na mão e algumas horas de espera, sou recambiado para uma consulta no Hospital da Cuf com o argumento de que o meu problema era "complexo". Habituado às "complexidades" da vida e sobretudo a perceber como estas alimentam as diferenças de poder e "afirmam" crenças, neste caso de que todas as opiniões médicas são prescritivas ( entre outras opiniões de "especialistas"), pensei, "já vou ficar a arder com mais uns tostões". Mas fui, não fujo ao grupo dos "crentes", mesmo que tenha consciência dos dogmas de uma ciência quase transformada em religião, e confesso que os referidos especialistas são para mim ( e para mais) uma espécie de pastores evangélicos que nos libertam sempre um "aleluia", afinal, algo existe além desta enfadonha ignorância quotidiana na qual a maioria de nós chaf…