segunda-feira, agosto 26, 2013

UM EMPENO INESPERADO E OUTRAS COISAS - III

A gata acorda-me às 4 da manhã com as suas cabriolices de felino noctivago. Dormirá de dia, eu não, tenho um dia longo de trabalho pela frente e umas olheiras fundas que a insónia desenhou. Estou ensonado, lento, "pedrado" e com isso, um pouco "ausente". Não é um acontecimento ( as traquinices da Mara) nem um "estado de espírito" novo, ando cansado ultimamente sem verdadeiramente o estar, não há esforços que o justifiquem, fisicos ou mentais. Sinto-me novamente sem energia, vontade para treinar e tudo o resto. Precisava de sossego, não do definitivo que para esse vou ter tempo que sobra, mas de um momentâneo, escolhia a montanha, ar puro e fresco, silêncio, ou seja, sem televisão, computador ou telemóvel e, sem horário, poder caminhar, correr ou pedalar, ler, dormir... Sonho acordado já percebi, não me livrarei de uma Lisboa ruidosa tão depressa, além disso já tive férias. Preciso por isso de férias das férias, daquelas em que "seguimos dentro de momentos", com "mira técnica" e música clássica em fundo.
Pois é, depois de um agradável treino/convívio da última terça-feira com os "Portugal Running" não "mexi uma palha", népia, zero! Amanhã talvez, se acordar a horas decentes, sem o calor insuportável destes (muitos) dias e sem ter de "ir aqui" ou "ali", "fazer isto" ou "aquilo", ou seja, livre como um passarinho! Para já escrevo esta mensagem no trabalho dando uso ao tédio de quem pouco tem para fazer por estes dias de Agosto ( como era bom uma revolução no estio para por a malta se mexer). 
Apesar de cortarem quase todos os acessos a sites da internet ( corte que não foi para todos é certo), ainda "permitem" o "blogger" ( o "worlpress" é mais difícil). Nada mau, obrigada "grande irmão"! Aliás, hoje restaurei a fé em ti ( no sistema, mas acho que só temporariamente), uma notícia num jornal diário avisa que um procedimento concursal já visivelmente manchado pela indignidade e falsidade foi em "sede própria" e pela segunda vez anulado. Passará agora para o "ministério da verdade" ( do amor não que ia fazer demasiados estragos) a competência da decisão final. Será a oportunidade soberana de punir incompetentes, apanhar os "chicos-espertos", cascar nos sacanas, que impere pois a equidade e a justiça ( o grande irmão está a ver-me de certeza)!
Bem tanta lábia e não dou conteúdo ao título desta mensagem, sou mesmo como já me apelidaram em tempos, um "tagarela" um "fala-barato", só não vendo "banha da cobra". Isto de escrever por "capítulos" um acontecimento fortuito, passado em poucas horas, ainda por cima com esta distância no tempo ( foi no mês passado) faz-me lembrar a "literatura de cordel", muitas páginas de prosápia picante para dizer ao leitor que a Aninhas, por sinal a vizinha de cima do narrador, menina casada e de boas famílias, anda "embrulhada" com o Tony, o mecânico marialva que mora na cave do prédio ( malandro, isso não se faz à rapariga!). Assim pareço eu, até já pensei em concorrer a guionista de novelas mexicanas ( embora ache que nas brasileiras estava mais bem acompanhado mas gosto de "burritos"). Com esta treta, quem vem aqui já se deve ter-se questionado: " este tipo está a ficar maluco, não vou perder tempo a ler um blogue de disparates, nada se aprende". Eu defendo-me: pessoal estamos na "silly season", estou por isso, "silly", descontem isso, já leram certamente coisas boas aqui no "trilhos" ( raras, mas umas autênticas pérolas). Volto daqui a umas horas para o último capítulo da "saga" "um empeno inesperado e outras coisas" e prometo ir "directo ao assunto". Inté e abraços.

Sem comentários:

Arquivo do blogue