Avançar para o conteúdo principal

A "INEVITÁVEL" CONCLUSÃO AQUI DO ZEN





Há pouco tempo vi um filme cujo o título traduzido para português, chamava-se: "A inevitável derrota de Mister and Pete. Contava a história de dois menores nova-iorquinos a viver num bairro social da cidade, filhos de mães toxicodependentes e quando confrontados com o abandono do lar destas, começam a viver juntos, desenvolvendo uma forte amizade e um sentido que "sobrevivência" que lhes permitia acima de tudo evitar a violência do meio, mas também a do "sistema". É aliás um dos "braços" deste último que ditará a "previsível derrota" do Pete e do Mister, quando já no limite das suas vulnerabilidades e perante a eminência da trágica perda da vida de um deles, são "apanhados" pela polícia e entregues num centro para jovens em condições semelhantes, onde os primeiros tempos não são nada fáceis ( algo que eles já tinham experimentado noutras ocasiões). Felizmente o realizador era americano e como a maioria dos filmes da "terra do Tio Sam" acabou "mais ou menos" bem. Para um filho de uma ex.toxicodependente e um recente órfão, oriundos de grupos sociais e étnicos estigmatizados, o futuro é sempre incerto e normalmente pouco auspicioso.

Esta história associa-se pouco à minha, embora a força do título me tenha ficado gravado na memória ( o filme também). A " inevitável derrota" fala-nos de coragem, mas também da "inevitabilidade".Conta-nos uma "derrota anunciada", algo que muitas vezes contrariamos a todo o custo, até que um dia compreendemos que essa "derrota" faz parte de um processo transformador, algo que é importante aceitar para "dar o passo seguinte". Sem muitas delongas explicativas, quero dizer-vos que do meu "processo" faz parte sair de máquina à tiracolo e tirar umas fotografias nesta bonita cidade e como tudo na vida, ainda estou a aprender.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

MEMÓRIAS DA SERRA DA CARREGUEIRA

( Legendo só a última fotografia - este era um tanque de água próximo do quartel onde vínhamos tomar banho no verão na esperança de vermos também umas miúdas que por lá apareciam de vez em quando)

Por vezes basta uma palavra, um encontro com uma pessoa ou o regresso a um lugar, para que a memória se abra como um livro e revele parte da história da nossa vida que afinal, ao contrário do pensamos, ainda está bem viva em nós. Foi o que me aconteceu esta semana com o convite do Luis Miguel para um treino na Serra da Carregueira - Sintra, local onde há 27 anos atrás, estive às ordens do Estado pelo período de 16 meses a cumprir o então "serviço militar obrigatório". Chamava-se na altura "Regimento de Infantaria nº 1", que incluía um dos chamados "Batalhões operacionais de primeira linha" do Exército português, o que significava, homens prontos para uma eventual intervenção militar imediata, isto apesar da guerra colonial ter acabado na altura havia 12 anos e …

NÃO HÁ ALMOÇOS GRÁTIS

Finisher na Maratona de Lisboa 2007
(Fotodesporto)
Depois de duas consultas no CMD ( Centro de Medicina Desportiva) com RX´s e ressonâncias na mão e algumas horas de espera, sou recambiado para uma consulta no Hospital da Cuf com o argumento de que o meu problema era "complexo". Habituado às "complexidades" da vida e sobretudo a perceber como estas alimentam as diferenças de poder e "afirmam" crenças, neste caso de que todas as opiniões médicas são prescritivas ( entre outras opiniões de "especialistas"), pensei, "já vou ficar a arder com mais uns tostões". Mas fui, não fujo ao grupo dos "crentes", mesmo que tenha consciência dos dogmas de uma ciência quase transformada em religião, e confesso que os referidos especialistas são para mim ( e para mais) uma espécie de pastores evangélicos que nos libertam sempre um "aleluia", afinal, algo existe além desta enfadonha ignorância quotidiana na qual a maioria de nós chaf…

SE CÁ NEVASSE FAZIA-SE CÁ SKI

Zé Neves a fazer SKU desde 2010 (sempre a descer)!

Salada de frutas - Se cá nevasse fazia-se cá ski
"Sebastião cá voltasse
Se a moleza se cansasse
Se o Eusébio 'inda jogasse
Ai que fintas que ele faria um dia...
Se o imposto não subisse
Se o emprego não fugisse
Se o presidente sorrisse
Outro galo cantaria um dia...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se...fazia-se...

Há sempre um "se" no caminho
Que me deixa as mãos tão presas
Se eu cortasse o "se" daninho
Talvez me livrasse das incertezas...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se...fazia-se..."