Avançar para o conteúdo principal

UTSF - Mergulho na serra



Perguntava há dias a uma amiga quando para mim ainda era difícil descer 5 degraus seguidos: "então, já recuperaste?" ela " nem queiras saber, agora compreendo o que passam as pessoas com limitações físicas, ir para o trabalho de transportes públicos é um tortura e depois quando lá chego, idas à casa de banho ou para almoçar são a 2ª parte da tortura". Fartei-me de rir, imaginei-a agarrada às paredes nas galerias do metro, a subir penosamente os três degraus do autocarro, ou a descer de "mansinho" as escadas de acesso ao refeitório do seu local de trabalho. Eu estava com melhor sorte, tinha ido de carro para o trabalho e quando lá cheguei sentei-me e até levei o almoço, sorte a minha, não passava pela mesma compremetedora pantomina que a minha amiga. O que originava isto explicava-se com o facto de ela e eu termos feito 60km de marcha/corrida uns dias antes. Se esta distância já é "muita fruta", imaginem se adicionarmos um desnível positivo acima dos 4000 mts então a "fruta" torna-se um pouco ácida. Se a isto juntarmos ainda a travessia de um leito de rio pedregoso com 3km de extensão, trilhos de pastores forrados a xisto e granito onde a cabras são atletas de alta competição, ribeiros de águas cristalinas e frias, aldeias com o pavimento abundantemente "estrumado" pelas rotinas do pastoreio e outros "complementos circunstanciais de lugar" que se deduzem do ambiente serrano e ajudam a construir a prosa do espaço, então, a fruta além de ácida, fica também um pouco azeda e esta chama-se “Ultra Trail Serra da Freita”. Para que a fruta volte a ser agradável ao paladar, tem os intervenientes de "adocicá-la". Como? Com muito prazer pela prática desportiva, convívio, amor pela natureza e liberdade que esta oferece e ainda nutrir um espírito sagaz e aventureiro capaz de explorar o incerto. Só assim as longas e difíceis provas de corrida e aventura serão uma rica salada de frutas, esta foi-o! Percebe-se depois desta descrição porque é que ambos tinhamos um "andar novo".

(já me estou a perder em “rococós”)

Perto dos 7km passo a Célia numa ultrapassagem irregular e dou a 1ª queda. Nada de anormal, nas corridas de aventura são raras as etapas em que não vou “ao tapete” uma ou duas vezes. Acho até que estou a ficar um perito no "tralho". Nesta, depois de escorregar na rocha, apoie-me com uma mão que ajudou a impulsionar-me para a frente e “voilá”, estava em pé de novo! Continuamos a correr num pequeno grupo de forma lenta e descontraída. A paisagem é soberba, paro algumas vezes para a admirar e lamento não termos feito um Canyon no dia anterior como tínhamos combinado há uns meses atrás. Passamos a Aldeia de Frades e encontro a senhora que me serviu um “café de saco” na edição de 2007. Desta fez não o tem feito, vai fazê-lo, se quisermos esperar… Agradecemos e continuamos, o café feito na cafeteira demoraria perto de 20m, não é que não fosse agradável estar a li a conversar com alguém que vive num lugar tão especial como este, mas estamos em prova.
Competição é competição e tomo definitivamente consciência que estou numa quando dizem a minha posição antes de entrar no trilho do rio “101º”. Sei que estão em competição aproximadamente 120 atletas e penso, “tenho de fazer a minha prova”. Chegado ao rio, começo a que eu chamo de “progressão agressiva”. As corridas de aventura dão-nos a capacidade de progredirmos em diferentes terrenos, este era muito difícil. Tínhamos de frequentemente saltar para a água, ultrapassar enormes pedras e zonas muito escorregadias. Presenciei alguns acidentes, felizmente menos graves e vi e senti a entreajuda ( ajudei e fui ajudado a transpor obstáculos) entre os atletas nestas circunstâncias. Acima da competição o factor humano, aspecto que nunca devemos esquecer na vida. O que presenciei ali renova a minha convicção na condição do homem traduzida num dos seus mais nobres valores, a solidariedade.
O meu irmão segui-me nesta decisão de acelerar a corrida, os restantes companheiros foram ficando para trás. Ultrapassamos com a nossa progressão experiente ( talvez até mais a dele que tais vivências de montanha que eu), dezenas de atletas neste trilho e chegámos ao 1º abastecimento no Covelo de Paivô.
(continua)

Comentários

António Bento disse…
Parabéns e excelente descrição.
Vamos aguardando os próximos capítulos.
Abraço
AB - Tartaruga
Zen disse…
Obrigado António pelas mensagens que vai deixando aqui no blog e pelo interesse em ler o meus fastidiosos relatos. Gabo-lhe a paciência.

Abraço

Mensagens populares deste blogue

MEMÓRIAS DA SERRA DA CARREGUEIRA

( Legendo só a última fotografia - este era um tanque de água próximo do quartel onde vínhamos tomar banho no verão na esperança de vermos também umas miúdas que por lá apareciam de vez em quando)

Por vezes basta uma palavra, um encontro com uma pessoa ou o regresso a um lugar, para que a memória se abra como um livro e revele parte da história da nossa vida que afinal, ao contrário do pensamos, ainda está bem viva em nós. Foi o que me aconteceu esta semana com o convite do Luis Miguel para um treino na Serra da Carregueira - Sintra, local onde há 27 anos atrás, estive às ordens do Estado pelo período de 16 meses a cumprir o então "serviço militar obrigatório". Chamava-se na altura "Regimento de Infantaria nº 1", que incluía um dos chamados "Batalhões operacionais de primeira linha" do Exército português, o que significava, homens prontos para uma eventual intervenção militar imediata, isto apesar da guerra colonial ter acabado na altura havia 12 anos e …

A VIDA O AMOR E OS... TRILHOS

Pois é, o "Trilhos Míticos" está de volta. A vida neste tempo em que estive ausente deu as suas "voltas", os "amores" também mas os trilhos continuaram a percorrer-se, agora também de mota como podem ver nas imagens. Ficará por contar aqui as minhas voltas entre a Suiça, Áustria e Alemanha, durante o último ano e meio, a referência aos seus bonitos trilhos de montanha e lagos onde me fundi de corpo e alma ( e por lá deixei parte deste/a).  Durante muitos anos o Trilhos Míticos foi essencialmente o espaço aonde escrevia acerca das minhas aventuras desportivas, que não podendo-do recuperar as muitas histórias que tenho destas desde o inicio dos anos 90, falava das que vivia na "actualidade" e foram muitas! Mas isso mudou desde há dois anos num processo que se adivinhava há muitos mais. Como a vida é dinâmica e este blogue também, este passará a incluir todos os trilhos percorridos por mim, seja a pé, a nadar, de bicicleta, de mota, de canoa e ago…

NÃO HÁ ALMOÇOS GRÁTIS

Finisher na Maratona de Lisboa 2007
(Fotodesporto)
Depois de duas consultas no CMD ( Centro de Medicina Desportiva) com RX´s e ressonâncias na mão e algumas horas de espera, sou recambiado para uma consulta no Hospital da Cuf com o argumento de que o meu problema era "complexo". Habituado às "complexidades" da vida e sobretudo a perceber como estas alimentam as diferenças de poder e "afirmam" crenças, neste caso de que todas as opiniões médicas são prescritivas ( entre outras opiniões de "especialistas"), pensei, "já vou ficar a arder com mais uns tostões". Mas fui, não fujo ao grupo dos "crentes", mesmo que tenha consciência dos dogmas de uma ciência quase transformada em religião, e confesso que os referidos especialistas são para mim ( e para mais) uma espécie de pastores evangélicos que nos libertam sempre um "aleluia", afinal, algo existe além desta enfadonha ignorância quotidiana na qual a maioria de nós chaf…