Avançar para o conteúdo principal

41º 66 José Neves Lebres do Sado M-40 09:11:47








Fotos: Joaquim Margarido - AMMA Magazine

Mais de nove horas em prova no UTSF não são o meu recorde de permanência em competição, nem o mais longo que tive numa actividade pedestre. No entanto o UTSF foi uma das mais duras e igualmente uma das mais bonitas em que já estive.
Acerca do tempo de permanência em provas, faço aqui o "histórico": comecei em 96 com uma 1/2 maratona em 2hrs ( já não fazia uma prova de corrida desde os meus 13 anos), depois e no mesmo ano fiz um triatlo "Olímpico" em 3h30 ( 1550mts x 40km x 10km). No ano seguinte um triatlo longo em Odemira fez-me "gastar" mais de 7hrs ( 3100mts x 120km x 25km). Atingi o máximo já neste século em 2001 em Ibiza no Iromman "Hombre de Hierro" com 13hrs25m ( 3800mts x 180km x 42,125mts). Mas a descoberta das corridas de aventura em 2006 e depois o retorno em 2008 com raids de 2 dias e mais de 26hrs ( a maioria interrompidos durante a noite para descanso dividindo este tempo em 2 dias, ou mais recentemente em versões non stop por mais de 22hrs ) continuam a "pulverizar" tempos. O mais recente recorde foi no Estoril XPD Race 2008 no qual estive mais de 42hrs (!) consecutivas em competição, isto é, sem descansar ( apenas travado por uma indisposição, se continuasse chegaria até próximo das 60hrs, mas isso é uma história que ainda está por contar). Aonde e como será o próximo?

Mas vamos lá finalizar esta série com o último episódio.

Depois do Covelo do Paivô, atacamos o difícil trilho de pedra a meia encosta que vai até Regoufe. Já o tínhamos feito em 2008 na prova das CA´s de boa memória ( 1º lugar elite mista). É um trilho técnico e duro que vai subindo, para depois descer até se avistarem as primeiras casas da Aldeia. A partir desta entra-se no trilho que nos leva a Drave e as perspectivas da Serra abrem-se a cada passada. Percebe-se que estamos num cenário único e vasto que contrasta com a pequenez que habitualmente nós os portugueses por defeito cultural, tratamos tudo o que é nosso. A Aldeia de Drave descobre-se numa súbita viragem do trilho para a esquerda. Parece que o tempo parou ali e se não fosse ser despertado pelas cores garridas da roupa e aplausos dos escuteiros que tomaram recentemente o espaço para refúgio permanente e exercitarem os ensinamentos do Baden Powell, diria que era naquele instante um viajante do tempo a entrar numa aldeia do séc. XII.
A partir daqui começa o chamado "empeno", sobe-se a garra que vai até próximo do alto de Drave e voltamos a descê-la até à Aldeia da Coelheira. Esta mais uma aldeia abandonada que parece "hibernada" na história ( a espera que alguém lhe devolva a vida, sem esquecer a vida de outrora). Daqui segue-se num trilho fantástico junto a uma ribeira para depois começar a maior subida continua de toda a prova. Nesta, fomos passando por malta que nitidamente havia estoirado e amaldiçoava a prova e respectivo organizador com palavras feias, algumas impreceptíveis ditas entre a tomada de fôlego o cansaço e a surpresa da encosta que tinham pela frente. Ria-me dos impropérios e incentivava os mais desanimados quando ainda falavam mais de 25km, mas falar da distância em falta, era tabu naquele momento.
O bastão que levei e que arrumo rapidamente quando não preciso dele, ajudou-me bastante a poupar o desgaste que já ia sentindo nos joelhos e músculos após estas duas subidas. No entanto sentia-me animado, o facto de estar a fazer a prova com o meu irmão e de estarmos quase sempre a conversar, impedia-me de "tropeçar" em maus pensamentos. Desta forma a impressão foi a de que chegamos depressa ao abastecimento dos 40km, onde pouco estivemos apesar da abundância de petiscos que nos convidavam a ficar mais um pouco. Ali apenas descalcei as meias para tirar as pequenas pedras que ainda trazia da travessia do rio, comi umas bolachas e "enchi-me" da mistura de coca-cola com água que nos abastecimentos anteriores já tinha provadoe que me estava a saber muito bem sem provocar a habitual azia da bebida causada pelo excesso de gás.
Uns quilómetros mais à frente começa uma descida pedregosa que se tornou mais dolorosa que as subidas anteriores, era a Freita a deixar a sua marca! Depois do abastecimento dos 50, juntamo-nos a um grupo com o qual fizemos todo o planalto serrano até quase à meta. Isto sem antes dar mais uma queda sem consequências de maior, apenas um joelho ensaguentado , sou um tipo com sorte. Reparo que no meio de tanto calhau já não levanto muito as pernas para transpor os obstáculos mais altos, as pernas já pesam cada 1 tonelada cada! Um curva, outra, a Frecha da Mizarela aos nossos pés e a certeza que estamos próximos da meta. Ei-la com o som ambiente de muitas palmas que me souberam tão bem como a sopa quente que depois me foi servida pela organização. Um abraço ao meu irmão e agradecimentos aos meus recentes companheiros de prova deixaram transparecer a enorme alegria que sentia, não por ter acabado, mas por ter estado durante mais de 9hrs num ambiente "naturalmente" fantástico.
Até para o ano!

À Esmeralda, Ângela, António e Velez, obrigado, são excelentes companheiros para estas andanças ( nada que eu já não soubesse).
Ao Joaquim Margarido, aquele abraço.
Ao Zé Moutinho - a coisa desta vez estava bem esgalhada!

PS - Desculpem se há imprecisões, mas isto de escrever decorridas mais de 15 hrs de trabalho não é pêra doce, serão corrigidas em breve, agora não há tempo.

Comentários

"Tropecei" com o seu blogue por mero acaso.

Perdoe-me o atrevimento, mas não posso, primeiro, deixar de expressar a minha admiração pela coragem e superação amplamente demonstradas e, depois, reforçar também a ideia de que estas aldeias encravadas na serra têm, de facto, um charme muito peculiar.

Cumprimentos
RM

Mensagens populares deste blogue

MEMÓRIAS DA SERRA DA CARREGUEIRA

( Legendo só a última fotografia - este era um tanque de água próximo do quartel onde vínhamos tomar banho no verão na esperança de vermos também umas miúdas que por lá apareciam de vez em quando)

Por vezes basta uma palavra, um encontro com uma pessoa ou o regresso a um lugar, para que a memória se abra como um livro e revele parte da história da nossa vida que afinal, ao contrário do pensamos, ainda está bem viva em nós. Foi o que me aconteceu esta semana com o convite do Luis Miguel para um treino na Serra da Carregueira - Sintra, local onde há 27 anos atrás, estive às ordens do Estado pelo período de 16 meses a cumprir o então "serviço militar obrigatório". Chamava-se na altura "Regimento de Infantaria nº 1", que incluía um dos chamados "Batalhões operacionais de primeira linha" do Exército português, o que significava, homens prontos para uma eventual intervenção militar imediata, isto apesar da guerra colonial ter acabado na altura havia 12 anos e …

NÃO HÁ ALMOÇOS GRÁTIS

Finisher na Maratona de Lisboa 2007
(Fotodesporto)
Depois de duas consultas no CMD ( Centro de Medicina Desportiva) com RX´s e ressonâncias na mão e algumas horas de espera, sou recambiado para uma consulta no Hospital da Cuf com o argumento de que o meu problema era "complexo". Habituado às "complexidades" da vida e sobretudo a perceber como estas alimentam as diferenças de poder e "afirmam" crenças, neste caso de que todas as opiniões médicas são prescritivas ( entre outras opiniões de "especialistas"), pensei, "já vou ficar a arder com mais uns tostões". Mas fui, não fujo ao grupo dos "crentes", mesmo que tenha consciência dos dogmas de uma ciência quase transformada em religião, e confesso que os referidos especialistas são para mim ( e para mais) uma espécie de pastores evangélicos que nos libertam sempre um "aleluia", afinal, algo existe além desta enfadonha ignorância quotidiana na qual a maioria de nós chaf…

SE CÁ NEVASSE FAZIA-SE CÁ SKI

Zé Neves a fazer SKU desde 2010 (sempre a descer)!

Salada de frutas - Se cá nevasse fazia-se cá ski
"Sebastião cá voltasse
Se a moleza se cansasse
Se o Eusébio 'inda jogasse
Ai que fintas que ele faria um dia...
Se o imposto não subisse
Se o emprego não fugisse
Se o presidente sorrisse
Outro galo cantaria um dia...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se...fazia-se...

Há sempre um "se" no caminho
Que me deixa as mãos tão presas
Se eu cortasse o "se" daninho
Talvez me livrasse das incertezas...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se...fazia-se..."