Avançar para o conteúdo principal

Travessia da Baía de Sesimbra 2009



Interrompo o relato do MIUT para escrever umas linhas acerca da já mítica "Travessia da Baía de Sesimbra".

Mítica porque fez no dia 4 de Outubro 54 anos ( 1946) que se realizou a sua primeira edição com a participação de 22 atletas, 20 homens e 2(!)mulheres. Remonta portanto a uma época na qual as piscinas rareavam e as águas abertas seriam os espaços de treino de eleição, época de gente que aprendeu a nadar no Tejo ou nas praias por este país fora, época em que ver duas senhoras a nadar a este nível e esta distância ( 1500mts) era de facto uma "ousadia" deste género numa sociedade fortemente "masculinizada". Mítica ainda porque fica numa praia (para mim outrora), de rara beleza e forte cultura ligada ao mar e da qual guardo memórias felizes desde que me conheço.

Já fiz esta travessia algumas vezes não sabendo precisar quantas, mas é raro o ano em que não proponho à malta do CAB uma ida a Sesimbra. Quando fiz o convite, ainda estavam gravadas na minha memória as imagens do ano passado em que rimos do Velez porque não conseguia parar de tremer após a saída da água ( uma maldade claro está). Desta vez compareceu apenas a Esmeralda com a sua habitual determinação no dia do seu aniversário, formando assim equipa para enfrentarmos as habituais águas frias de Sesimbra entre mais 245 nadadores, dos quais 30% ( longe dos 5% de há 54 anos) eram senhoras de todas as idades.
Apesar de estar a nadar com alguma regularidade,tive dificuldades em me adaptar ao meio e ao esforço nos primeiros 500mts. Ia muito ofegante e implicava frequentemente com os óculos ora porque os achava embaciados, ora porque tinham gotas de água o que me obrigou a parar algumas vezes. As causas desta dificuldade em regular a respiração ( e talvez irritação), atribuo-a há falta de exercício nestes últimos tempos ( por lesão) e a uma consequente redução da capacidade cardiorespiratória. Juntando a isto, o facto de estar no pico das minhas crises de rinite frequentes nesta época do ano e que me fazem estar permanentemente a "soprar". Depois deste momento mais "trapalhão"lá consegui meter um ritmo regular de crawl esquecendo a minha técnica de costas especial pela falta da pinça para o nariz . Apesar de achar que este ano a corrente até à fortaleza era mais forte ( penso que o tempo dos primeiros explica um pouco isso) o tempo final até nem foi mau com 36m55s (a 16m do 1º classificado). Outro aspecto positivo, foi estar sempre acompanhado o que se torna motivador e não quebra o ritmo. Fazendo o balanço final, o desempenho ficou um pouco aquém das minhas expectativas pois pensava em tirar uns 4m ao tempo final(estou a nadar próximo de 1k=20m), no entanto, este foi um bom teste para os 3000mts da Travessia Batista Pereira já no próximo fim-de-semana, esta sim, uma distância de meter respeito...sem fato de neopreno e com correntes a sério!
Quanto há minha camarada fez uma bela prova atingindo o 3º lugar no seu "agegroups", duplos parabéns, pelo resultado e aniversário!
Um excelente dia desportivo rodeado paisagem, movimento, beleza e alegria.

Até breve com o que falta contar do MIUT.

Comentários

César disse…
Olá.
Belo relato.
Como nadador recente, tenho muita curiosidade em participar numa prova destas.
Parabéns pelo blog.
Zen disse…
Olá César

Obrigado!

Quanto ao calendário de águas abertas, apesar de não ser o meu meio de eleição, sei que começa a ter provas a partir de Maio até Outubro, participa vais gostar.

Outra coisa é felicitar-te por uma paixão comum, o Triatlo. Desportista que se preze devia experimentar pelo menos uma vez na vida.
César disse…
Concordo com a afirmação sobre o triatlo, mas a natação afasta muitos atletas, dado a sua exigência técnica e não só, sobretudo para quem "não nada"...
Até hoje só consegui levar um amigo, além de ter sido eu a introduzir o bichinho na minha turma de natação e lá já somos três! ;)

Mensagens populares deste blogue

MEMÓRIAS DA SERRA DA CARREGUEIRA

( Legendo só a última fotografia - este era um tanque de água próximo do quartel onde vínhamos tomar banho no verão na esperança de vermos também umas miúdas que por lá apareciam de vez em quando)

Por vezes basta uma palavra, um encontro com uma pessoa ou o regresso a um lugar, para que a memória se abra como um livro e revele parte da história da nossa vida que afinal, ao contrário do pensamos, ainda está bem viva em nós. Foi o que me aconteceu esta semana com o convite do Luis Miguel para um treino na Serra da Carregueira - Sintra, local onde há 27 anos atrás, estive às ordens do Estado pelo período de 16 meses a cumprir o então "serviço militar obrigatório". Chamava-se na altura "Regimento de Infantaria nº 1", que incluía um dos chamados "Batalhões operacionais de primeira linha" do Exército português, o que significava, homens prontos para uma eventual intervenção militar imediata, isto apesar da guerra colonial ter acabado na altura havia 12 anos e …

A VIDA O AMOR E OS... TRILHOS

Pois é, o "Trilhos Míticos" está de volta. A vida neste tempo em que estive ausente deu as suas "voltas", os "amores" também mas os trilhos continuaram a percorrer-se, agora também de mota como podem ver nas imagens. Ficará por contar aqui as minhas voltas entre a Suiça, Áustria e Alemanha, durante o último ano e meio, a referência aos seus bonitos trilhos de montanha e lagos onde me fundi de corpo e alma ( e por lá deixei parte deste/a).  Durante muitos anos o Trilhos Míticos foi essencialmente o espaço aonde escrevia acerca das minhas aventuras desportivas, que não podendo-do recuperar as muitas histórias que tenho destas desde o inicio dos anos 90, falava das que vivia na "actualidade" e foram muitas! Mas isso mudou desde há dois anos num processo que se adivinhava há muitos mais. Como a vida é dinâmica e este blogue também, este passará a incluir todos os trilhos percorridos por mim, seja a pé, a nadar, de bicicleta, de mota, de canoa e ago…

NÃO HÁ ALMOÇOS GRÁTIS

Finisher na Maratona de Lisboa 2007
(Fotodesporto)
Depois de duas consultas no CMD ( Centro de Medicina Desportiva) com RX´s e ressonâncias na mão e algumas horas de espera, sou recambiado para uma consulta no Hospital da Cuf com o argumento de que o meu problema era "complexo". Habituado às "complexidades" da vida e sobretudo a perceber como estas alimentam as diferenças de poder e "afirmam" crenças, neste caso de que todas as opiniões médicas são prescritivas ( entre outras opiniões de "especialistas"), pensei, "já vou ficar a arder com mais uns tostões". Mas fui, não fujo ao grupo dos "crentes", mesmo que tenha consciência dos dogmas de uma ciência quase transformada em religião, e confesso que os referidos especialistas são para mim ( e para mais) uma espécie de pastores evangélicos que nos libertam sempre um "aleluia", afinal, algo existe além desta enfadonha ignorância quotidiana na qual a maioria de nós chaf…