Avançar para o conteúdo principal

Não se morre do mal morre-se da cura



Isto de não andar de BTT como deve ser há uns meses tem um efeito que todos devem saber, sobretudo os que conhecem a difícil adaptação ao selim do início de cada época.
Saído de uma lesão e de um longo período de preguiça desportiva ( com outras prioridades a imporem-se) eis-me de regresso aos treinos e às competições. Como não faço as coisas pelo meio, defeitos de ser um pouco "excessivo", inscrevi-me na Maratona de BTT de Canha e logo na prova maior, os 100km! Certo, certo, vai ser o desconforto da referida adaptação ao componente da bicicleta onde sentamos o rabioque e uma dor de pernas garantida para recuperar na semana que vem. Como diz o ditado popular "não se morre do mal,morre-se da cura", ao que o meu irmão contrapõe com o antídoto, " eh pá, treina que isso passa"!

Até breve.

Comentários

Xutos disse…
Espero que a adaptação não seja muito dificil e que tudo corra pelo melhor.
Infelizmente tenho que trabalhar no Domingo e não vou poder participar na Maratona de Canha, mas vão lá estar muitos elementos do DEUS MA LIVRE.
Zen disse…
Obrigado Xutos

Terei então por companhia os "Deus ma livre" ;-)

Bom trabalho

PS - Hoje é a minha vez de estar a trabalhar.
Espanhol disse…
Grande Zen.
É assim mesmo, de volta aos trilhos.
Bons treinos e nada de tendinites.
Abraços.
Velez

Mensagens populares deste blogue

MEMÓRIAS DA SERRA DA CARREGUEIRA

( Legendo só a última fotografia - este era um tanque de água próximo do quartel onde vínhamos tomar banho no verão na esperança de vermos também umas miúdas que por lá apareciam de vez em quando)

Por vezes basta uma palavra, um encontro com uma pessoa ou o regresso a um lugar, para que a memória se abra como um livro e revele parte da história da nossa vida que afinal, ao contrário do pensamos, ainda está bem viva em nós. Foi o que me aconteceu esta semana com o convite do Luis Miguel para um treino na Serra da Carregueira - Sintra, local onde há 27 anos atrás, estive às ordens do Estado pelo período de 16 meses a cumprir o então "serviço militar obrigatório". Chamava-se na altura "Regimento de Infantaria nº 1", que incluía um dos chamados "Batalhões operacionais de primeira linha" do Exército português, o que significava, homens prontos para uma eventual intervenção militar imediata, isto apesar da guerra colonial ter acabado na altura havia 12 anos e …

NÃO HÁ ALMOÇOS GRÁTIS

Finisher na Maratona de Lisboa 2007
(Fotodesporto)
Depois de duas consultas no CMD ( Centro de Medicina Desportiva) com RX´s e ressonâncias na mão e algumas horas de espera, sou recambiado para uma consulta no Hospital da Cuf com o argumento de que o meu problema era "complexo". Habituado às "complexidades" da vida e sobretudo a perceber como estas alimentam as diferenças de poder e "afirmam" crenças, neste caso de que todas as opiniões médicas são prescritivas ( entre outras opiniões de "especialistas"), pensei, "já vou ficar a arder com mais uns tostões". Mas fui, não fujo ao grupo dos "crentes", mesmo que tenha consciência dos dogmas de uma ciência quase transformada em religião, e confesso que os referidos especialistas são para mim ( e para mais) uma espécie de pastores evangélicos que nos libertam sempre um "aleluia", afinal, algo existe além desta enfadonha ignorância quotidiana na qual a maioria de nós chaf…

À VOLTA DO SANTIS ( PARTE I)

Como o planeado saí de Konstanz para passar uns dias com um amigo nos arredores do cantão suiço de Sankt Gallen. Não tinha ainda nada parecido com um saco de viagem ( que vim a adquirir dias depois na loja da Louis Mottorrad em Bregenz Austria - cidade fronteira com a Suiça e Alemanha) e por isso improvisei a minha bagagem com a mochila e um saco estanque que uso para a canoagem. O dia estava bonito, mais fresco que os anteriores, mas rolar nas estradas suiças e cruzar aldeias e campos é como viajar num imenso jardim ( que cheira um bocadinho a vacaria em alguns sítios). Só tem um senão, os limites de velocidade e os radares na estrada são uma constante e ultrapassar os limites de velocidade em 10km/h por exemplo, dá direito a uma soma "simpática" de 200 francos de multa. Para isso é preciso ir com uma atenção redobrada, sobretudo quando se viaja numa máquina com mais de 100cv pois perde-se faciulmente a noção dos limites de velocidade. É que para eles não há choradinhos, n…