Avançar para o conteúdo principal

Regresso ao pedal - Ainda a Maratona de Canha




O meu regresso à competição de BTT deu-se depois de uma noite em claro, um treino de 40km a meio da semana e meses de "inactividade" ( apenas umas voltas ao coreto). Não foi mau, pelo menos deu para perceber que pedalar com os meus actuais 87kg exige um esforço comparado aos meus primeiros raides de pasteleira até Sesimbra na altura em era um "puto" de 13 anos, a bina pesava o dobro da que tenho agora e o "cabedal" era o de "peso pluma".
Bem, não é só isso, há pequenas diferenças: experiência, mudanças e... gel energético! Experiência em gerir o esforço por 100km, desmultiplicação de mudanças que quase levam um tipo a pedalar até ao cume do K2 e um gel, que na altura certa " revitaliza o corpo e a mente", como um bom café quando se está "bêbado de sono", com algumas (pequenas) diferenças claro.
Não há muito mais para contar sobre esta maratona de BTT, mais de 700 participantes divididos pelas duas provas, a de 40km ( 630 betetistas) e a de 100km ( 82 finais), local vasto com caminhos pouco técnicos, muita prozada, sobretudo triatletas em pré-época, bom comportamento da minha malta do CAB com tempos excelentes (tem mais uns meses de treino e competições do que eu) e um "finish" pessoal abaixo das "razoáveis" 5h ( média aproximada de 20km/h). Uma organização à portuguesa - nem boa nem má, ou seja muito trabalho organizativo mas a errar nos aspectos mais simples, sobretudo na atenção aos atletas da prova mais longa ( os 100km) entre outros. A destacar um original troféu artesanal feito de uma telha e uma bicicleta construída em papel de jornal colada em cima, bonito, sugiro cortiça da próxima vez com material dominante.

Comentários

Xutos disse…
Como diz o ditado popular “QUEM SABE, NUNCA ESQUECE”.

Mensagens populares deste blogue

MEMÓRIAS DA SERRA DA CARREGUEIRA

( Legendo só a última fotografia - este era um tanque de água próximo do quartel onde vínhamos tomar banho no verão na esperança de vermos também umas miúdas que por lá apareciam de vez em quando)

Por vezes basta uma palavra, um encontro com uma pessoa ou o regresso a um lugar, para que a memória se abra como um livro e revele parte da história da nossa vida que afinal, ao contrário do pensamos, ainda está bem viva em nós. Foi o que me aconteceu esta semana com o convite do Luis Miguel para um treino na Serra da Carregueira - Sintra, local onde há 27 anos atrás, estive às ordens do Estado pelo período de 16 meses a cumprir o então "serviço militar obrigatório". Chamava-se na altura "Regimento de Infantaria nº 1", que incluía um dos chamados "Batalhões operacionais de primeira linha" do Exército português, o que significava, homens prontos para uma eventual intervenção militar imediata, isto apesar da guerra colonial ter acabado na altura havia 12 anos e …

À VOLTA DO SANTIS ( PARTE I)

Como o planeado saí de Konstanz para passar uns dias com um amigo nos arredores do cantão suiço de Sankt Gallen. Não tinha ainda nada parecido com um saco de viagem ( que vim a adquirir dias depois na loja da Louis Mottorrad em Bregenz Austria - cidade fronteira com a Suiça e Alemanha) e por isso improvisei a minha bagagem com a mochila e um saco estanque que uso para a canoagem. O dia estava bonito, mais fresco que os anteriores, mas rolar nas estradas suiças e cruzar aldeias e campos é como viajar num imenso jardim ( que cheira um bocadinho a vacaria em alguns sítios). Só tem um senão, os limites de velocidade e os radares na estrada são uma constante e ultrapassar os limites de velocidade em 10km/h por exemplo, dá direito a uma soma "simpática" de 200 francos de multa. Para isso é preciso ir com uma atenção redobrada, sobretudo quando se viaja numa máquina com mais de 100cv pois perde-se faciulmente a noção dos limites de velocidade. É que para eles não há choradinhos, n…

FLORESTA NEGRA E AS RHEIN FALLS (I PARTE)

Zurique
Lago Constance
O mapa da Floresta Negra

As meninas ( aqui no Pass de S. Bernardino uns dias depois)
Depois de uma tarde bem passada a passear pelas ruas da cidade de Zurique e de um mergulho tardio já em Constance na "obra prima" do Reno, o lago Bodensee, o dia seguinte foi o planeado para irmos buscar a minha Kawasaki ZRX a Geisingen para umas voltas de adaptação antes de rumarmos ao norte de Itália para uns dias de "dolce far niente" e umas curvas entre o Maggiore e os contrafortes da grande muralha alpina que ali separa a "nórdica" Suiça da "mediterrânica" (bella) Itália.  Rumamos não pela fresca, mas num dia de "verão alemão" que este ano tem sido longo, acima dos 30º e uma humidade elevada, o que torna o casaco, calças e capacete de mota uma verdadeira sauna. Diz-se por ali, que isso faz parte da "cena motard", se cheirares a suor é sinal que estás equipado em condições, ninguém anda de calções e chinelos numa C…