Avançar para o conteúdo principal

TERRA LIVRE

Vou ser genérico, não tenho muito tempo, mas não deixei de achar este assunto muito interessante. A postagem deste video reintroduz a discussão daquilo que em parte já reflecti num post recente ( Massa Crítica - Fell Alive). Um cidade e uma sociedade (re)pensada para novas formas de mobilidade sustentável. O incremento da bicicleta e do transporte público. Este é um exemplo holandês do passado que podíamos ter reflectido, pois muitas das onerosas infraestruturas que agora temos de pagar penosamente tem uma construção recente, como é o caso do "polémico" túnel do Marquês que, entre outras megalomanias do então governo da cidade, deixou as suas finanças depauperadas. Mas citando mais exemplos, hoje temos a cidade de Lisboa "rasgada" por inúmeras "vias rápidas ", autênticos livros de tragédia nas quais morrem ou ficam estropiadas muitas pessoas por ano ( basta ver as estatísticas oficiais). Os custos sociais e económicos de tudo isto são elevados, por muitas campanhas de prevenção rodoviária e repressão da polícia que se façam, entre outras medidas políticas para reduzir a sinistralidade ( existem variáveis que nunca foram observadas nestas políticas), o fenómeno pouco se altera. A revolução do automóvel obrigou progressivamente a que a cidade se alterasse para o receber. Viadutos, túneis, parques subterrâneos em zonas históricas, obras que descaracterizaram a cidade, obrigado ao corte de árvores, à redução de passeios, ao redesenho do seu centro histórico, desligaram identidades de bairro, relações de vizinhança, espaços de lazer e convívio, reduzindo as proximidades "cosmopolitistas". Pergunto, para quê? Para que caibam na cidade milhares de automóveis todos os dias que transportam na sua maioria uma só pessoa? O que lucramos nós cidadãos com isto? Alguns sim, a Brisa, a Emel, a Bragaparques, já para não falar da BP da Galp e dos fabricantes de automóveis claro, entre outras "minorias". Os restantes aceitam a "ordem das coisas" . Não há nisto nenhum fundamentalismo "anti-automóvel", eu próprio o vou utilizar daqui a pouco para entrar na cidade, estacionando na periferia e apanhando transporte público para o local onde devo estar daqui a pouco ( estou atrasado :-), isto apesar de na maioria das vezes circular de bicicleta. O que eu pretendo dizer é que podemos fazer melhor, podemos mudar, podemos agir alterando os paradigmas actuais. Terra livre!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

MEMÓRIAS DA SERRA DA CARREGUEIRA

( Legendo só a última fotografia - este era um tanque de água próximo do quartel onde vínhamos tomar banho no verão na esperança de vermos também umas miúdas que por lá apareciam de vez em quando)

Por vezes basta uma palavra, um encontro com uma pessoa ou o regresso a um lugar, para que a memória se abra como um livro e revele parte da história da nossa vida que afinal, ao contrário do pensamos, ainda está bem viva em nós. Foi o que me aconteceu esta semana com o convite do Luis Miguel para um treino na Serra da Carregueira - Sintra, local onde há 27 anos atrás, estive às ordens do Estado pelo período de 16 meses a cumprir o então "serviço militar obrigatório". Chamava-se na altura "Regimento de Infantaria nº 1", que incluía um dos chamados "Batalhões operacionais de primeira linha" do Exército português, o que significava, homens prontos para uma eventual intervenção militar imediata, isto apesar da guerra colonial ter acabado na altura havia 12 anos e …

A VIDA O AMOR E OS... TRILHOS

Pois é, o "Trilhos Míticos" está de volta. A vida neste tempo em que estive ausente deu as suas "voltas", os "amores" também mas os trilhos continuaram a percorrer-se, agora também de mota como podem ver nas imagens. Ficará por contar aqui as minhas voltas entre a Suiça, Áustria e Alemanha, durante o último ano e meio, a referência aos seus bonitos trilhos de montanha e lagos onde me fundi de corpo e alma ( e por lá deixei parte deste/a).  Durante muitos anos o Trilhos Míticos foi essencialmente o espaço aonde escrevia acerca das minhas aventuras desportivas, que não podendo-do recuperar as muitas histórias que tenho destas desde o inicio dos anos 90, falava das que vivia na "actualidade" e foram muitas! Mas isso mudou desde há dois anos num processo que se adivinhava há muitos mais. Como a vida é dinâmica e este blogue também, este passará a incluir todos os trilhos percorridos por mim, seja a pé, a nadar, de bicicleta, de mota, de canoa e ago…

NÃO HÁ ALMOÇOS GRÁTIS

Finisher na Maratona de Lisboa 2007
(Fotodesporto)
Depois de duas consultas no CMD ( Centro de Medicina Desportiva) com RX´s e ressonâncias na mão e algumas horas de espera, sou recambiado para uma consulta no Hospital da Cuf com o argumento de que o meu problema era "complexo". Habituado às "complexidades" da vida e sobretudo a perceber como estas alimentam as diferenças de poder e "afirmam" crenças, neste caso de que todas as opiniões médicas são prescritivas ( entre outras opiniões de "especialistas"), pensei, "já vou ficar a arder com mais uns tostões". Mas fui, não fujo ao grupo dos "crentes", mesmo que tenha consciência dos dogmas de uma ciência quase transformada em religião, e confesso que os referidos especialistas são para mim ( e para mais) uma espécie de pastores evangélicos que nos libertam sempre um "aleluia", afinal, algo existe além desta enfadonha ignorância quotidiana na qual a maioria de nós chaf…