quinta-feira, novembro 22, 2012

Pedalar em Amesterdão II

Antes de chegarmos a Amesterdão, já vamos com a  ideia que a cidade é "cycling friendly". Para quem gosta de bicicletas é uma boa notícia, pois além de podermos conhecer a "cidade a pedalar", observamos o que é uma "cidade a pedais". Confesso que é bonito de se ver, a primazia das duas rodas face às quatro e nestas últimas, mais eléctricos e autocarros. Na inevitável comparação que fazemos com o que é nosso, sobretudo o que se passa na cidade, Lisboa, muito timidamente, lá vai tentando chegar aos calcanhares de uma cidade com esta mobilidade sustentável, mas faltam-lhe as infraestruturas, os meios, a vontade política e a sua necessária participação cívica, mas sobretudo falta a consciência para uma profunda mudança de mentalidades, a tal que devolva a cidade às pessoas sem esquecer a sua mobilidade, preserve o ambiente e o património.
Em Amesterdão pude observar o que é viver numa cidade em que, as ciclovias, os espaços pedonais, os enormes parques, traduzem parte da qualidade de vida dos seus habitantes. O resto, são muitos teatros, museus, canais de água limpa onde se passeia de barco, feiras ao ar livre, cafés, cosmopolitismo e tolerância, alguma a pagar impostos.
A minha estadia em Amesterdão, foram dois dias e meio a pedalar de manhã até noite dentro e muito mais.
Arrumadas as bagagens no alojamento a minha primeira preocupação foi alugar uma bicicleta. Já trazia algumas informações de Portugal, sobretudo preços e modelos, mas uma vez na cidade percebi que a oferta é muita e por isso vale a pena procurar. Acabei por alugar por 7,5€ - 24hrs uma "citadina" na  Green Bikes, que não sendo como as bonitas "dutch bike" ( já meti na cabeça que tenho de trazer uma para cá quando tiver mais espaço), foi uma "grande máquina" que me levou a todos os cantos da cidade, isto apesar de ter um sistema de travagem nos pedais que para mim foi uma novidade e provocou alguns "despistes" de inicio. Nada que um "sorry" não resolvesse junto dos apressados, diria, quase suicidas ciclistas urbanos ( continua).


Sem comentários:

Arquivo do blogue