Avançar para o conteúdo principal

UM MÊS E UNS DIAS DEPOIS




Um mês e uns dias depois, aqui estou. Como podem ver também eu aderi à moda dos "selfies" ( aos quais chamo sel(fish-es) e outras "modernices" "just in time" dadas pelas apps instaladas nos smarthphones e ligação à internet. São uma espécie de novos "tamagotchi" que devemos alimentar 24 horas por dia sob pena de "morremos socialmente"( um paradoxo obviamente) . 
Fotografo-me junto das minhas "meninas" de duas rodas: uma recuperada das suas maleitas, a outra recuperada para a estrada depois de anos a "vegetar" no hall de entrada de casa. Estão vivas, bem vivinhas a exigirem quem as pedale vivamente. Mas a vida não é fácil com estas rotinas do dia a dia. Dos dias em que é preciso mais que um esforço para viver.
Bem, isso são contas de outros "rosários", difícil também já foi mais. Depois de um novo tratamento imuno-alérgico sinto-me a respirar quase de "plenos pulmões" e se  não fosse a poluição lisboeta já tinha bombeado mais uns litros de oxigénio que um trepador ao Evereste ( dos que levam garrafas, não como o nosso corajoso Garcia que foi sem elas). Mas se pudesse bombear motivação com a qualidade com que respiro por estes dias seria bom também.
Desta ou de outra forma, a vida corre e correndo vive-se. Um regresso ao Triatlo de Oeiras e à corrida " C. Espichel - Cotovia" já não é nada mau. "Mau mesmo", como dizem as pessoas mais velhas, "é não ter saúde", não há apps em smathphones de "última geração" que nos valham. Saúde para todos os que por aqui passam é que vos desejo. Um...até breve! Abraços

Comentários

Luis Estêvão disse…
Força com essas pedaladas!
Abraço
Zen disse…
Obrigado Luis. Abraço

Mensagens populares deste blogue

MEMÓRIAS DA SERRA DA CARREGUEIRA

( Legendo só a última fotografia - este era um tanque de água próximo do quartel onde vínhamos tomar banho no verão na esperança de vermos também umas miúdas que por lá apareciam de vez em quando)

Por vezes basta uma palavra, um encontro com uma pessoa ou o regresso a um lugar, para que a memória se abra como um livro e revele parte da história da nossa vida que afinal, ao contrário do pensamos, ainda está bem viva em nós. Foi o que me aconteceu esta semana com o convite do Luis Miguel para um treino na Serra da Carregueira - Sintra, local onde há 27 anos atrás, estive às ordens do Estado pelo período de 16 meses a cumprir o então "serviço militar obrigatório". Chamava-se na altura "Regimento de Infantaria nº 1", que incluía um dos chamados "Batalhões operacionais de primeira linha" do Exército português, o que significava, homens prontos para uma eventual intervenção militar imediata, isto apesar da guerra colonial ter acabado na altura havia 12 anos e …

A VIDA O AMOR E OS... TRILHOS

Pois é, o "Trilhos Míticos" está de volta. A vida neste tempo em que estive ausente deu as suas "voltas", os "amores" também mas os trilhos continuaram a percorrer-se, agora também de mota como podem ver nas imagens. Ficará por contar aqui as minhas voltas entre a Suiça, Áustria e Alemanha, durante o último ano e meio, a referência aos seus bonitos trilhos de montanha e lagos onde me fundi de corpo e alma ( e por lá deixei parte deste/a).  Durante muitos anos o Trilhos Míticos foi essencialmente o espaço aonde escrevia acerca das minhas aventuras desportivas, que não podendo-do recuperar as muitas histórias que tenho destas desde o inicio dos anos 90, falava das que vivia na "actualidade" e foram muitas! Mas isso mudou desde há dois anos num processo que se adivinhava há muitos mais. Como a vida é dinâmica e este blogue também, este passará a incluir todos os trilhos percorridos por mim, seja a pé, a nadar, de bicicleta, de mota, de canoa e ago…

NÃO HÁ ALMOÇOS GRÁTIS

Finisher na Maratona de Lisboa 2007
(Fotodesporto)
Depois de duas consultas no CMD ( Centro de Medicina Desportiva) com RX´s e ressonâncias na mão e algumas horas de espera, sou recambiado para uma consulta no Hospital da Cuf com o argumento de que o meu problema era "complexo". Habituado às "complexidades" da vida e sobretudo a perceber como estas alimentam as diferenças de poder e "afirmam" crenças, neste caso de que todas as opiniões médicas são prescritivas ( entre outras opiniões de "especialistas"), pensei, "já vou ficar a arder com mais uns tostões". Mas fui, não fujo ao grupo dos "crentes", mesmo que tenha consciência dos dogmas de uma ciência quase transformada em religião, e confesso que os referidos especialistas são para mim ( e para mais) uma espécie de pastores evangélicos que nos libertam sempre um "aleluia", afinal, algo existe além desta enfadonha ignorância quotidiana na qual a maioria de nós chaf…