Avançar para o conteúdo principal

GUINCHO - ESTA DEPRESSÃO QUE ME ANIMA


A subida mais dura do percurso, cerca de 10º de inclinação.

Depois de encerrar o capítulo da "metafisica das causas", acabara de abrir o seguinte, "a causa das coisas todas começando a partir das pequenas". Ia lançado, no fundo já são 46 treinados anos de pensamentos avulsos sobre tudo e sobre nada ( sobretudo sobre nada), uma espécie de colecção de epistolas inúteis de uma obra maior para a qual já encontrei um pomposo título de " esta depressão que me anima", quando o  "estado de arte" de mim  próprio e o meu modesto Fiat são inesperadamente travados no parque de estacionamento por dois fraternos moradores de um hospital psiquiátrico das redondezas, quiça durante a sua secreta missão de ver de perto o mundo dos espíritos aprisionados em afazeres dominicais. Tenho uma admiração sagrada pelos loucos (embora grande parte da humanidade tenha por eles uma profunda e disciplinada devoção), sobretudo pela sua resistência revolucionária ao "sistema normal", nobre e dura luta que nem exércitos de comprimidos multicolores fabricados no espaço por laboratórios suiços com cobaias extraterrenas levam de vencida. Assim, baixei o vidro e de imediato me dispus às suas solicitações: " dá-nos dinheiro para beber café, chefe" inquiriram. Respondi em fascínio por aquelas bocas de rara dentição amarelada, rostos magros, lábios brancos e espumosos e olhos vidrados, "ok camaradas, esperem um pouco, vou ver o que tenho" enquanto abria a carteira oferecendo-lhes o que descontava do preço da portagem de Carcavelos que iria pagar daí a instantes no regresso a casa depois de um "interlúdio" domingueiro sofrido numa prova de atletismo . 
Beber café e fumar cigarros diariamente são um prazer que também já tive. Agora corro, mal, digo que sou desportista ( faço "desporto") mas ainda bebo café... e fumo... raramente... às escondidas.  Beber café e fumar cigarros compulsivamente durante anos a fio sem problemas de consciência, liberto da ideia absurda de vir a ter cancro no pulmão ou no estômago ou ainda do que as pessoas pensam sobre o nosso estado físico e mental, deve dar um gozo do caraças! No fundo, para morrer preciso estar vivo e estar vivo a maioria das vezes é uma grande maçada, sobretudo quando se tem consciência disso. 
O resto, foram dores nas pernas e uma maravilhosa "depressão que (sempre) me anima".

Comentários

Mensagens populares deste blogue

SE CÁ NEVASSE FAZIA-SE CÁ SKI

Zé Neves a fazer SKU desde 2010 (sempre a descer)!

Salada de frutas - Se cá nevasse fazia-se cá ski
"Sebastião cá voltasse
Se a moleza se cansasse
Se o Eusébio 'inda jogasse
Ai que fintas que ele faria um dia...
Se o imposto não subisse
Se o emprego não fugisse
Se o presidente sorrisse
Outro galo cantaria um dia...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se...fazia-se...

Há sempre um "se" no caminho
Que me deixa as mãos tão presas
Se eu cortasse o "se" daninho
Talvez me livrasse das incertezas...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se...fazia-se..."

MERGULHO DE ANO NOVO 2016

Mais um ano se foi e outro começa. Que tenha mais dias felizes que 2015! Afectos, projectos, aventuras e claro, muito desporto! Hoje em Sesimbra, num dia de chuva, sem frio e com o mar a 14º fomos 13 os que decidiram "renovar-se" para 2016 com um mergulho de mar. Destes, 5 valentes entre 3 e os 13 anos experimentaram as águas agitadas da Praia do Ouro, a Laurinha ( na foto em baixo) a mais jovem do grupo, ficou-se por um "lava pés". Um ano desportivo a todos os seguidores do "Trilhos"

ALMOUROL 2014

Descobri este texto nas "memórias do facebook", acho que não o postei aqui. Os tempos agora são muito diferentes. Tenho uma hérnia discal, estou de baixa há mais de um mês e não treino vai para muito tempo. A operação cirúrgica está eminente e estas actividades, de maior impacto como o Trail, farão inevitavelmente parte do passado. Recordemo-lo...
José Neves8 de Abril de 2014 "Nada de fotografias por favor", o gesto e a expressão pouco amigáveis, parecem o de uma vedeta surpreendida por um paparazzi indiscreto. Não foi nada disso, em legenda, caso não tenham reparado está escrito: " qualquer semelhança com a realidade é pura ficção". A outra "realidade" é que no momento desta fotografia estava certamente no primeiro terço do pelotão usando a minha habitual estratégia de "trás para a frente, a mesma "ficção" foi achar que podia durante 44km manter-me assim. Trocando isto por "miúdos": a partir dos 30km "dei o…