Avançar para o conteúdo principal

GUINCHO - ESTA DEPRESSÃO QUE ME ANIMA


A subida mais dura do percurso, cerca de 10º de inclinação.

Depois de encerrar o capítulo da "metafisica das causas", acabara de abrir o seguinte, "a causa das coisas todas começando a partir das pequenas". Ia lançado, no fundo já são 46 treinados anos de pensamentos avulsos sobre tudo e sobre nada ( sobretudo sobre nada), uma espécie de colecção de epistolas inúteis de uma obra maior para a qual já encontrei um pomposo título de " esta depressão que me anima", quando o  "estado de arte" de mim  próprio e o meu modesto Fiat são inesperadamente travados no parque de estacionamento por dois fraternos moradores de um hospital psiquiátrico das redondezas, quiça durante a sua secreta missão de ver de perto o mundo dos espíritos aprisionados em afazeres dominicais. Tenho uma admiração sagrada pelos loucos (embora grande parte da humanidade tenha por eles uma profunda e disciplinada devoção), sobretudo pela sua resistência revolucionária ao "sistema normal", nobre e dura luta que nem exércitos de comprimidos multicolores fabricados no espaço por laboratórios suiços com cobaias extraterrenas levam de vencida. Assim, baixei o vidro e de imediato me dispus às suas solicitações: " dá-nos dinheiro para beber café, chefe" inquiriram. Respondi em fascínio por aquelas bocas de rara dentição amarelada, rostos magros, lábios brancos e espumosos e olhos vidrados, "ok camaradas, esperem um pouco, vou ver o que tenho" enquanto abria a carteira oferecendo-lhes o que descontava do preço da portagem de Carcavelos que iria pagar daí a instantes no regresso a casa depois de um "interlúdio" domingueiro sofrido numa prova de atletismo . 
Beber café e fumar cigarros diariamente são um prazer que também já tive. Agora corro, mal, digo que sou desportista ( faço "desporto") mas ainda bebo café... e fumo... raramente... às escondidas.  Beber café e fumar cigarros compulsivamente durante anos a fio sem problemas de consciência, liberto da ideia absurda de vir a ter cancro no pulmão ou no estômago ou ainda do que as pessoas pensam sobre o nosso estado físico e mental, deve dar um gozo do caraças! No fundo, para morrer preciso estar vivo e estar vivo a maioria das vezes é uma grande maçada, sobretudo quando se tem consciência disso. 
O resto, foram dores nas pernas e uma maravilhosa "depressão que (sempre) me anima".

Comentários

Mensagens populares deste blogue

MEMÓRIAS DA SERRA DA CARREGUEIRA

( Legendo só a última fotografia - este era um tanque de água próximo do quartel onde vínhamos tomar banho no verão na esperança de vermos também umas miúdas que por lá apareciam de vez em quando)

Por vezes basta uma palavra, um encontro com uma pessoa ou o regresso a um lugar, para que a memória se abra como um livro e revele parte da história da nossa vida que afinal, ao contrário do pensamos, ainda está bem viva em nós. Foi o que me aconteceu esta semana com o convite do Luis Miguel para um treino na Serra da Carregueira - Sintra, local onde há 27 anos atrás, estive às ordens do Estado pelo período de 16 meses a cumprir o então "serviço militar obrigatório". Chamava-se na altura "Regimento de Infantaria nº 1", que incluía um dos chamados "Batalhões operacionais de primeira linha" do Exército português, o que significava, homens prontos para uma eventual intervenção militar imediata, isto apesar da guerra colonial ter acabado na altura havia 12 anos e …

NÃO HÁ ALMOÇOS GRÁTIS

Finisher na Maratona de Lisboa 2007
(Fotodesporto)
Depois de duas consultas no CMD ( Centro de Medicina Desportiva) com RX´s e ressonâncias na mão e algumas horas de espera, sou recambiado para uma consulta no Hospital da Cuf com o argumento de que o meu problema era "complexo". Habituado às "complexidades" da vida e sobretudo a perceber como estas alimentam as diferenças de poder e "afirmam" crenças, neste caso de que todas as opiniões médicas são prescritivas ( entre outras opiniões de "especialistas"), pensei, "já vou ficar a arder com mais uns tostões". Mas fui, não fujo ao grupo dos "crentes", mesmo que tenha consciência dos dogmas de uma ciência quase transformada em religião, e confesso que os referidos especialistas são para mim ( e para mais) uma espécie de pastores evangélicos que nos libertam sempre um "aleluia", afinal, algo existe além desta enfadonha ignorância quotidiana na qual a maioria de nós chaf…

A VIDA O AMOR E OS... TRILHOS

Pois é, o "Trilhos Míticos" está de volta. A vida neste tempo em que estive ausente deu as suas "voltas", os "amores" também mas os trilhos continuaram a percorrer-se, agora também de mota como podem ver nas imagens. Ficará por contar aqui as minhas voltas entre a Suiça, Áustria e Alemanha, durante o último ano e meio, a referência aos seus bonitos trilhos de montanha e lagos onde me fundi de corpo e alma ( e por lá deixei parte deste/a).  Durante muitos anos o Trilhos Míticos foi essencialmente o espaço aonde escrevia acerca das minhas aventuras desportivas, que não podendo-do recuperar as muitas histórias que tenho destas desde o inicio dos anos 90, falava das que vivia na "actualidade" e foram muitas! Mas isso mudou desde há dois anos num processo que se adivinhava há muitos mais. Como a vida é dinâmica e este blogue também, este passará a incluir todos os trilhos percorridos por mim, seja a pé, a nadar, de bicicleta, de mota, de canoa e ago…