Avançar para o conteúdo principal

UM "EMPENO" INESPERADO E OUTRAS COISAS - ( PARTE I)

Ponho a minha filha no programa de férias, é o último dia, será "cheio" de actividades e despedidas sentidas. Para mim também será o último dia antes das férias em família, tenho de aproveitar a "liberdade". Penso em dar uma volta de BTT, ultimamente tirando as deslocações para o trabalho, pouco o tenho feito. Planeio ir até à estação fluvial que liga Lisboa ao Barreiro e ai apanhar o barco, depois rumar até à Arrábida em trilhos que já conheço e se possível, regressar a tempo de almoçar com os meus pais, esticar-me ao comprido a ler o "Al-Gharb 1146" mais o "Kaufmann" ( um dos meus sociólogos preferidos), uma dose mínima de Facebook contra o desperdício de tempo e ir buscar a catraia ao fim da tarde, um dia quase "perfeito"!
O tempo está fresco mas o dia está solarengo, luminoso, perfeito para andar de bicicleta. Encho a mochila com a indispensável: "câmara de ar", kit de ferramentas, bomba, alguma comida, documentos, telemóvel e o indispensável dinheiro para cafés e cervejolas. Ignoro na "bagagem" a máquina fotográfica, a paisagem ficará assim "retratada" na mente e espero também na dos que lerão esta mensagem, a imaginação também precisa de exercício.
Saio de casa, Calçada da Ajuda a baixo evitando as partes mais irregulares de um piso antigo em pedra. Junto à Presidência da República contorno um buraco já "cartografado" há muito e lá vou eu feliz da vida até à ponte metálica que liga a Avenida da Índia à Avenida de Brasília. Detenho-me junto à estação de Belém assaltando-me a curiosidade de ver os horários dos barcos Belém-Trafaria. O barco saí daí a 20 minutos, fico à espera dele enquanto revejo o programa inicial, a volta será outra, vou improvisá-la.
Na estação não estão mais de 10 pessoas, surpreende-me que sejam tão poucas, este é o transporte ideal para as praias da Costa da Caparica, sobretudo para quem quer evitar as confusões do trânsito automóvel nesta altura do ano, além disso é mais barato, evita portagens e estacionamento pago, é mais ecológico e podemos transportar a bicicleta " à borlix". Com este "público", um dia destes o trajecto não será mais "viável", a "economia de mercado" que cada vez mais ignora a "economia humana", triunfará mais uma vez. 
Chego à Trafaria, terra de pescadores e dos chamados "torrões", bairros de construção ilegal, casas de férias dos lisboetas menos abastados, a maioria oriunda dos "bairros típicos" da capital. Bebo ai um café antes de seguir pela ciclovia que me levará à Costa da Caparica. "Ciclovia à portuguesa" diga-se, construída em cima do passeio, sempre pejada de "passeantes" ou de carros estacionados e com passeios não rebaixados nos atravessamentos. Continua a ser difícil reivindicar espaço para as bicicletas à soberania automóvel, os autarcas não cometem esse "sacrilégio", mesmo que as vias tenham seis faixas, como em Lisboa e se circule a velocidades de autoestrada, contornando perigosamente peões e ciclistas, com as consequências que todos sabemos. 
Em 15 minutos estou no paredão da "costa", se quisesse molhar os pés e esticar-me ao sol, já lá estava, foi rápido. Porque raio não vejo mais pessoas fazer isto?! No barco só vi um jovem de bicicleta, é pouco. Sou pouco dado a "generalizações" acerca do comportamento humano, mesmo o que se desenha como "colectivo", há sempre mais que uma variável que o explica, depende do contexto, do espaço, dos actores que nele intervêm e de muitas outras coisas que não vem agora a propósito, mas este preocupante desinteresse por uma certa "ecologia social", advém de um défice "educativo" e cívico que parece atravessar gerações de portugueses, isto apesar de termos mudado a sociedade para melhor nos anos recentes, a velocidade dessa mudança foi (é) demasiado lenta. As consequências estão à vista e sentem-se na "pele de todos.
Esqueçamos isso por momentos senão corro o risco de deixar de ter leitores. Pedalar é pois um dos actos mais libertários que conheço. Estou portanto no paredão da Costa da Caparica, renovado por um inconsequente "programa pólis" e há mulheres bonitas a correr com o mar em fundo, sinto-me próximo do paraíso, mas ainda não cheguei lá! A propósito disto, houve uma  saudável explosão da prática desportiva no feminino, sobretudo da corrida nos últimos tempos, sinal de melhoria dos estilos de vida, também moda e uma clara e positiva afirmação do género. Bem, sei lá se é isso, o que sei é que é bom e fico com a ideia de que vivo numa sociedade mais plural, sou dos poucos "selvagens" que resta, ou me adapto ou morro
Tenho agora um areal a perder de vista da Costa da Caparica até à boca da Lagoa de Albufeira que com a maré vazia parece ciclável, até onde não sei, vou "experimentá-lo" ( continua)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

MEMÓRIAS DA SERRA DA CARREGUEIRA

( Legendo só a última fotografia - este era um tanque de água próximo do quartel onde vínhamos tomar banho no verão na esperança de vermos também umas miúdas que por lá apareciam de vez em quando)

Por vezes basta uma palavra, um encontro com uma pessoa ou o regresso a um lugar, para que a memória se abra como um livro e revele parte da história da nossa vida que afinal, ao contrário do pensamos, ainda está bem viva em nós. Foi o que me aconteceu esta semana com o convite do Luis Miguel para um treino na Serra da Carregueira - Sintra, local onde há 27 anos atrás, estive às ordens do Estado pelo período de 16 meses a cumprir o então "serviço militar obrigatório". Chamava-se na altura "Regimento de Infantaria nº 1", que incluía um dos chamados "Batalhões operacionais de primeira linha" do Exército português, o que significava, homens prontos para uma eventual intervenção militar imediata, isto apesar da guerra colonial ter acabado na altura havia 12 anos e …

NÃO HÁ ALMOÇOS GRÁTIS

Finisher na Maratona de Lisboa 2007
(Fotodesporto)
Depois de duas consultas no CMD ( Centro de Medicina Desportiva) com RX´s e ressonâncias na mão e algumas horas de espera, sou recambiado para uma consulta no Hospital da Cuf com o argumento de que o meu problema era "complexo". Habituado às "complexidades" da vida e sobretudo a perceber como estas alimentam as diferenças de poder e "afirmam" crenças, neste caso de que todas as opiniões médicas são prescritivas ( entre outras opiniões de "especialistas"), pensei, "já vou ficar a arder com mais uns tostões". Mas fui, não fujo ao grupo dos "crentes", mesmo que tenha consciência dos dogmas de uma ciência quase transformada em religião, e confesso que os referidos especialistas são para mim ( e para mais) uma espécie de pastores evangélicos que nos libertam sempre um "aleluia", afinal, algo existe além desta enfadonha ignorância quotidiana na qual a maioria de nós chaf…

SE CÁ NEVASSE FAZIA-SE CÁ SKI

Zé Neves a fazer SKU desde 2010 (sempre a descer)!

Salada de frutas - Se cá nevasse fazia-se cá ski
"Sebastião cá voltasse
Se a moleza se cansasse
Se o Eusébio 'inda jogasse
Ai que fintas que ele faria um dia...
Se o imposto não subisse
Se o emprego não fugisse
Se o presidente sorrisse
Outro galo cantaria um dia...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se...fazia-se...

Há sempre um "se" no caminho
Que me deixa as mãos tão presas
Se eu cortasse o "se" daninho
Talvez me livrasse das incertezas...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se...fazia-se..."