Avançar para o conteúdo principal

[O Homem da Maratona] EU A WONDER WOMAN E O SCHWARZENEGGER - 2006

Continuo a republicar o meu antigo blogue ( apagado).

Posted by Zen to O Homem da Maratona at 8/20/2006 11:14:00 AM



Depois de umas férias sem fazer "ponta de corno" decido seguir a sério os conselhos do fisioterapeuta e fazer reforço dos músculos que suportam o joelho. Para isso procurei o ginásio de musculação mais afamado cá da aldeia e decidi inscrever-me num programa misto denominado de "cardiovascular e exercícios de reforço muscular". Um "mix indoor" com um cocktail de exercícios numa gaiola de aparelhos complexos, música "tecno" e seres parecidos com o Capitão América e " Wonder Woman", ou as mais "reias" personagens cinematográficas: Scharznegger e Sheena.
Bem vindo ao "admirável mundo novo", assim que abro a porta para entrar no referido ginásio, encaro com a "Wonder Woman" loura, vestida com um top e calções que perguntei a mim mesmo não serem o número abaixo daquele efectivamente devia usar, embora concorde com a observação do mafarrico soprada aos ouvidos ( o tal que leva a consciência ao doce pecado) que tal indumentária assentava-lhe muito bem! Duraram pouco os pensamentos lúbricos, pois embato numa parede de músculos, ai estava o Scharznegger, o tal que despacha " maus da fita" como quem despacha tremoços, um bom rapaz capaz de pôr fim às minhas aspirações de indígena em terra de bons selvagens.
Afinal nada disso se passou. A "Wonder Woman" ( ou a Sheena como queiram) mostrou-se muito simpática ( o que me fez pensar se afinal ela não usava dois números abaixo daquele que devia usar) e o Scharznegger chamava-se Jorge e têm-me ensinado a usar aquelas máquinas infernais que produzem músculo.
Após as formalidades da inscrição entrei na sala de musculação para o primeiro treino. Pela primeira vez na vida senti-me um tipo enfezado. Eu que com 1.83 e com uns agora bem nutridos 86 kg, achava que era um "tipo forte", naquele momento pensei se não tinha sofrido de raquitismo na infância, pois por todo o lado vejo a treinar: "tipos capazes de despacharem maus da fita como quem despacha tremoços". Pensei e prometi a mim mesmo não fazer comentários acerca das mãezinhas, namoradas, clube de futebol ou qualquer outra convicção, destes rapazinhos, não fosse ser também ser despachado como um tremoço, algo que já vinha a recear deste que achei que o Scharznegger tinha adivinhado os meus pensamentos libidinosos com a " Wonder Woman".
Faço o circuito das ditas maquinetas, um "chest fly", um "press leg", outros com nomes mais familiares: uma "remada do puxador" uma "aducção da coxa" etc, etc, remato com 15m de bicicleta elíptica e uma sessão de alongamentos e "see you later" pessoal que não sei se cá me apanham outra vez. De caminho ainda passo pelo bar onde vejo uma Shenna e um Capitão América ( que confusão!) sorridentes a beber por palhinhas uma bebida cor-de-rosa que identifico lendo numa embalagem colocada em cima da mesa onde estavam sentados as duas "Marvellicas" personagens( eu sei que a Shenna não é mas passa a ser) como o " Mega Mass Pro 3000", porção que torna enfezados em super-heróis. Apesar de me sentir o"Asterix" entre "Obelixes" não fui tentado a experimentá-la, naquele dia não queria bater em romanos, queria antes bater em retirada.
Tenho feito sessões duas vezes por semana desde então ( já lá vão uns seis treinos) e afinal sinto-me muito bem. Até já corri, mas na passadeira mas poucos minutos! A " Wonder Woman" é minha amiga ( acho que usa três números abaixo daquele que devia usar), o Scharznegger também ( é bom ter amigos que despacham "maus da fita como tremoços") e eu até já me sinto um tipo cheio "cabedal", se bem que não chego ( e duvido se algum dia chegue) aos calcanhares dos meus "colegas" lá do ginásio. Agora, de correr é que sinto umas saudades do "caraças"!


--
Posted by Zen to O Homem da Maratona at 8/20/2006 11:14:00 AM

Comentários

Mensagens populares deste blogue

MEMÓRIAS DA SERRA DA CARREGUEIRA

( Legendo só a última fotografia - este era um tanque de água próximo do quartel onde vínhamos tomar banho no verão na esperança de vermos também umas miúdas que por lá apareciam de vez em quando)

Por vezes basta uma palavra, um encontro com uma pessoa ou o regresso a um lugar, para que a memória se abra como um livro e revele parte da história da nossa vida que afinal, ao contrário do pensamos, ainda está bem viva em nós. Foi o que me aconteceu esta semana com o convite do Luis Miguel para um treino na Serra da Carregueira - Sintra, local onde há 27 anos atrás, estive às ordens do Estado pelo período de 16 meses a cumprir o então "serviço militar obrigatório". Chamava-se na altura "Regimento de Infantaria nº 1", que incluía um dos chamados "Batalhões operacionais de primeira linha" do Exército português, o que significava, homens prontos para uma eventual intervenção militar imediata, isto apesar da guerra colonial ter acabado na altura havia 12 anos e …

FLORESTA NEGRA E AS RHEIN FALLS (I PARTE)

Zurique
Lago Constance
O mapa da Floresta Negra

As meninas ( aqui no Pass de S. Bernardino uns dias depois)
Depois de uma tarde bem passada a passear pelas ruas da cidade de Zurique e de um mergulho tardio já em Constance na "obra prima" do Reno, o lago Bodensee, o dia seguinte foi o planeado para irmos buscar a minha Kawasaki ZRX a Geisingen para umas voltas de adaptação antes de rumarmos ao norte de Itália para uns dias de "dolce far niente" e umas curvas entre o Maggiore e os contrafortes da grande muralha alpina que ali separa a "nórdica" Suiça da "mediterrânica" (bella) Itália.  Rumamos não pela fresca, mas num dia de "verão alemão" que este ano tem sido longo, acima dos 30º e uma humidade elevada, o que torna o casaco, calças e capacete de mota uma verdadeira sauna. Diz-se por ali, que isso faz parte da "cena motard", se cheirares a suor é sinal que estás equipado em condições, ninguém anda de calções e chinelos numa C…

NÃO HÁ ALMOÇOS GRÁTIS

Finisher na Maratona de Lisboa 2007
(Fotodesporto)
Depois de duas consultas no CMD ( Centro de Medicina Desportiva) com RX´s e ressonâncias na mão e algumas horas de espera, sou recambiado para uma consulta no Hospital da Cuf com o argumento de que o meu problema era "complexo". Habituado às "complexidades" da vida e sobretudo a perceber como estas alimentam as diferenças de poder e "afirmam" crenças, neste caso de que todas as opiniões médicas são prescritivas ( entre outras opiniões de "especialistas"), pensei, "já vou ficar a arder com mais uns tostões". Mas fui, não fujo ao grupo dos "crentes", mesmo que tenha consciência dos dogmas de uma ciência quase transformada em religião, e confesso que os referidos especialistas são para mim ( e para mais) uma espécie de pastores evangélicos que nos libertam sempre um "aleluia", afinal, algo existe além desta enfadonha ignorância quotidiana na qual a maioria de nós chaf…