Avançar para o conteúdo principal

[O Homem da Maratona] DOING IT FOR EMILY - 2006

Posted by Zen to O Homem da Maratona at 11/08/2006 03:37:00 PM

Republicado o blogue o "Homem da Maratona" ...



Na praia das Bicas - Meco

Depois de uma longa paragem nos treinos e competições a motivação para recomeçar não é muita. Sinto-me pesado, preso e acima de tudo desmotivado.Da motivação o senso comum sabe ser aquilo que nos move para uma acção, uma espécie de "força" que vem de "dentro", mas que também sabemos vir igualmente "de fora". Nesta última, o papel dos outros é fundamental e o dos que estão próximos de nós, o mais importante de todos! A propósito disto, passo a contar uma história que ouvi/vi há uns anos atrás e que emergiu na minha memória depois de ver as fotografias tiradas na Praia das Bicas durante um treino em Fevereiro deste ano, onde apareço com a minha pequena sereia. Nos anos 90, o canal de televisão "Eurosport tinha a "saudável" tradição de nos mês de Novembro passar a reportagem do Ironman do Havai realizado um mês antes ( realiza-se todos os anos em Outubro), acontecimento que eu não perdia, mesmo que programasse o vídeo para o gravar na minha ausência. Nestas apresentações eram passadas antes do resumo da prova, várias reportagens com "atletas do pelotão" onde eram destacados aspectos da sua vida pessoal, do seu treino diário, mas acima de tudo da razão que os motivara para estarem ali prontos para iniciarem tão duro desafio. Como havia dito, uma das histórias ficou gravada na minha memória, era a de um Pai que depois de uma longa vida de sedentário decidira tornar-se um Ironman por causa da filha. Dizia ele, que um dia sentado no sofá vira na televisão a prova do Havai e que confidenciara à sua filha Emily então com 7 anos, que um dia gostaria de ser um daqueles "heróis". Sabia que isso seria um desejo quase impossível, pois era obeso e nunca tivera hábitos desportivos e pouca vontade tinha de os adquirir. A filha disse-lhe que não, que o pai lhe havia ensinado que "quando se deseja com muita força tudo acontece", até aquilo que parece ser impossível, como vir a tornar-se um daqueles "super atletas".  À Emily meses mais tarde foi diagnosticada uma leucemia que lhe provocou a morte pouco tempo depois, apesar de todos os "esforços" do Pai e da medicina, o que me fez pensar que afinal existem coisas que nem todo a vontade, fé e amor humano podem vencer. Outras parece que sim e o exemplo está no Pai da Emily que venceu a sua dor treinando para o Ironman lembrando as palavras da menina: " nada é impossível se o desejares"! Tornou-se um "Ironman" no ano seguinte , transportando consigo o retrato de Emily em todo o percurso onde podíamos ler: " Doing it for Emily"! Em lágrimas no final da prova, lembrava-nos que parte da força de nos move vem dos outros, sobretudo daqueles que nos amam, a maioria das vezes traduzidas nas palavras e gestos simples como os da Emily.
Na praia das Bicas em Fevereiro eu estava motivado para correr, tinha um objectivo e duas admiradoras que não paravam de me incentivar. No momento em que escrevo, a minha fã mais pequena foi buscar um capacete de bicicleta e lembra-me que lhe prometi uma cadeira que montarei na minha bicicleta e onde faremos uso deste objecto que nos protegerá cabeça de males maiores durante as já programadas voltas na Mata da machada. O meu filho há duas semanas atrás insistiu para que fosse com ele à corrida do Tejo e a minha mulher diz-me que já tem saudades de me ver nadar (adora ver-me de fato de neoprene, a marota). Portanto a mim resta-me perder uns quilos, começar a treinar, sentir-me feliz e fazê-los felizes! Não me parece nada difícil, quando aquilo que me move é a força daqueles que me fazem acreditar naquilo que afinal desejo.


 
Posted by Zen to O Homem da Maratona at 11/08/2006 03:37:00 PM

Comentários

Mensagens populares deste blogue

MEMÓRIAS DA SERRA DA CARREGUEIRA

( Legendo só a última fotografia - este era um tanque de água próximo do quartel onde vínhamos tomar banho no verão na esperança de vermos também umas miúdas que por lá apareciam de vez em quando)

Por vezes basta uma palavra, um encontro com uma pessoa ou o regresso a um lugar, para que a memória se abra como um livro e revele parte da história da nossa vida que afinal, ao contrário do pensamos, ainda está bem viva em nós. Foi o que me aconteceu esta semana com o convite do Luis Miguel para um treino na Serra da Carregueira - Sintra, local onde há 27 anos atrás, estive às ordens do Estado pelo período de 16 meses a cumprir o então "serviço militar obrigatório". Chamava-se na altura "Regimento de Infantaria nº 1", que incluía um dos chamados "Batalhões operacionais de primeira linha" do Exército português, o que significava, homens prontos para uma eventual intervenção militar imediata, isto apesar da guerra colonial ter acabado na altura havia 12 anos e …

A VIDA O AMOR E OS... TRILHOS

Pois é, o "Trilhos Míticos" está de volta. A vida neste tempo em que estive ausente deu as suas "voltas", os "amores" também mas os trilhos continuaram a percorrer-se, agora também de mota como podem ver nas imagens. Ficará por contar aqui as minhas voltas entre a Suiça, Áustria e Alemanha, durante o último ano e meio, a referência aos seus bonitos trilhos de montanha e lagos onde me fundi de corpo e alma ( e por lá deixei parte deste/a).  Durante muitos anos o Trilhos Míticos foi essencialmente o espaço aonde escrevia acerca das minhas aventuras desportivas, que não podendo-do recuperar as muitas histórias que tenho destas desde o inicio dos anos 90, falava das que vivia na "actualidade" e foram muitas! Mas isso mudou desde há dois anos num processo que se adivinhava há muitos mais. Como a vida é dinâmica e este blogue também, este passará a incluir todos os trilhos percorridos por mim, seja a pé, a nadar, de bicicleta, de mota, de canoa e ago…

NÃO HÁ ALMOÇOS GRÁTIS

Finisher na Maratona de Lisboa 2007
(Fotodesporto)
Depois de duas consultas no CMD ( Centro de Medicina Desportiva) com RX´s e ressonâncias na mão e algumas horas de espera, sou recambiado para uma consulta no Hospital da Cuf com o argumento de que o meu problema era "complexo". Habituado às "complexidades" da vida e sobretudo a perceber como estas alimentam as diferenças de poder e "afirmam" crenças, neste caso de que todas as opiniões médicas são prescritivas ( entre outras opiniões de "especialistas"), pensei, "já vou ficar a arder com mais uns tostões". Mas fui, não fujo ao grupo dos "crentes", mesmo que tenha consciência dos dogmas de uma ciência quase transformada em religião, e confesso que os referidos especialistas são para mim ( e para mais) uma espécie de pastores evangélicos que nos libertam sempre um "aleluia", afinal, algo existe além desta enfadonha ignorância quotidiana na qual a maioria de nós chaf…