Avançar para o conteúdo principal

TRILHO DOS ABUTRES 2015

Este ano, depois do estoiro nos 100km de Portalegre entrei mais uma vez em "modo vegetativo", isto é, treinar só quando o "rei fazia anos" ( é que ainda por cima sou republicano). Acordei há umas semanas desta letargia quando ao sair de um consultório "lamuriei" para a minha interlocutora : "finalmente tenho barriga de quarentão!" Ao que ela me respondeu laconicamente: "é a curva da felicidade!" Esbocei um sorriso... amarelo! Pensei que o meu desabafo daria azo a uma expressão condoída dela do tipo: " você, um desportista, devia voltar a fazer exercício, ter uma alimentação regrada, descanso, como boas noites de sono, vai ver que consegue voltar a ser o tipo atlético de outrora" ( cof, cof - tosse). Em vez disso oiço, " é a curva da felicidade", como se o que me impede de apertar o botão de cima das calças quando conduzo, assar os tintins e o entre pernas quando corro, ou ainda ficar com a sensação quando subo umas escadas que transporto uma mochila de 90kg colada às costas se pudesse chamar, "felicidade". Como se fosse "natural" todos os quarentões parecerem uns pinguins felizes, que ao olhar para baixo só avistam uma "proeminência redonda e peluda" e fossem adorados por isso como "deuses da fertilidade"! Felicidade o tanas! 
Decidi voltar a correr depois deste "detrato" e pior, além do sofrimento que é locomover este corpanzil nestes primeiros treinos, decidi autoflagelar-me pela terceira vez em cinco edições nesta prova de me faz estar quase 10 horas numa serra a dar trambolhões e a arranhar-me todo, o Trilhos dos Abutres! 
É que eu não gosto nada de ser "feliz"... Ou, como disse o idiota no video em que está andar de skate numa estrada nacional e que por pouco não ficou colado ao para-brisas de um carro como um mosquito: "felicidade é coisa que não me assiste"!
PS - Não esperem que vou postar aqui fotografias minhas das "fases da dieta com exercício", nas quais passaria de balofo a modelo da Armani. Não. É que o natal está à porta e na família há quem alimente bem a "curva da felicidade" sem se preocupar muito com isso e eu sou, como dizia a minha mãezinha, um tipo "influenciável".
Fotografias da edição de 2014 quando ensaiava um visual à "Lumber Jack". Depois da barba crescida reparei que afinal o visual pretendido se aproximava mais de "Pai Natal".






Comentários

Carlos Cardoso disse…
Tens aqui nesta "posta" muita coisa com a qual me identifico :) ...e não só a parte do "quarentão". Força aí nesse regresso, mas sem descurar esse "coisa da felicidade" que carregas contigo na cintura.
E bons Abutres...
Abraço
Sérgio Pontes disse…
Força! Depois das festas, "dás cabo dessa felicidade"

Abraço
Zen disse…
Carlos Cardoso, uma abraço de solidariedade aos quarenta ( quase no fim). Sérgio, espero bem que sim, mas estou com sérias dúvidas ;-) Abraço
Zen disse…
Sérgio Pontes, obrigado, estou a tentar! Bom ano. Abraço

Mensagens populares deste blogue

MEMÓRIAS DA SERRA DA CARREGUEIRA

( Legendo só a última fotografia - este era um tanque de água próximo do quartel onde vínhamos tomar banho no verão na esperança de vermos também umas miúdas que por lá apareciam de vez em quando)

Por vezes basta uma palavra, um encontro com uma pessoa ou o regresso a um lugar, para que a memória se abra como um livro e revele parte da história da nossa vida que afinal, ao contrário do pensamos, ainda está bem viva em nós. Foi o que me aconteceu esta semana com o convite do Luis Miguel para um treino na Serra da Carregueira - Sintra, local onde há 27 anos atrás, estive às ordens do Estado pelo período de 16 meses a cumprir o então "serviço militar obrigatório". Chamava-se na altura "Regimento de Infantaria nº 1", que incluía um dos chamados "Batalhões operacionais de primeira linha" do Exército português, o que significava, homens prontos para uma eventual intervenção militar imediata, isto apesar da guerra colonial ter acabado na altura havia 12 anos e …

NÃO HÁ ALMOÇOS GRÁTIS

Finisher na Maratona de Lisboa 2007
(Fotodesporto)
Depois de duas consultas no CMD ( Centro de Medicina Desportiva) com RX´s e ressonâncias na mão e algumas horas de espera, sou recambiado para uma consulta no Hospital da Cuf com o argumento de que o meu problema era "complexo". Habituado às "complexidades" da vida e sobretudo a perceber como estas alimentam as diferenças de poder e "afirmam" crenças, neste caso de que todas as opiniões médicas são prescritivas ( entre outras opiniões de "especialistas"), pensei, "já vou ficar a arder com mais uns tostões". Mas fui, não fujo ao grupo dos "crentes", mesmo que tenha consciência dos dogmas de uma ciência quase transformada em religião, e confesso que os referidos especialistas são para mim ( e para mais) uma espécie de pastores evangélicos que nos libertam sempre um "aleluia", afinal, algo existe além desta enfadonha ignorância quotidiana na qual a maioria de nós chaf…

SE CÁ NEVASSE FAZIA-SE CÁ SKI

Zé Neves a fazer SKU desde 2010 (sempre a descer)!

Salada de frutas - Se cá nevasse fazia-se cá ski
"Sebastião cá voltasse
Se a moleza se cansasse
Se o Eusébio 'inda jogasse
Ai que fintas que ele faria um dia...
Se o imposto não subisse
Se o emprego não fugisse
Se o presidente sorrisse
Outro galo cantaria um dia...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se...fazia-se...

Há sempre um "se" no caminho
Que me deixa as mãos tão presas
Se eu cortasse o "se" daninho
Talvez me livrasse das incertezas...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se...fazia-se..."