Avançar para o conteúdo principal

TRILHO DOS ABUTRES 2015

Este ano, depois do estoiro nos 100km de Portalegre entrei mais uma vez em "modo vegetativo", isto é, treinar só quando o "rei fazia anos" ( é que ainda por cima sou republicano). Acordei há umas semanas desta letargia quando ao sair de um consultório "lamuriei" para a minha interlocutora : "finalmente tenho barriga de quarentão!" Ao que ela me respondeu laconicamente: "é a curva da felicidade!" Esbocei um sorriso... amarelo! Pensei que o meu desabafo daria azo a uma expressão condoída dela do tipo: " você, um desportista, devia voltar a fazer exercício, ter uma alimentação regrada, descanso, como boas noites de sono, vai ver que consegue voltar a ser o tipo atlético de outrora" ( cof, cof - tosse). Em vez disso oiço, " é a curva da felicidade", como se o que me impede de apertar o botão de cima das calças quando conduzo, assar os tintins e o entre pernas quando corro, ou ainda ficar com a sensação quando subo umas escadas que transporto uma mochila de 90kg colada às costas se pudesse chamar, "felicidade". Como se fosse "natural" todos os quarentões parecerem uns pinguins felizes, que ao olhar para baixo só avistam uma "proeminência redonda e peluda" e fossem adorados por isso como "deuses da fertilidade"! Felicidade o tanas! 
Decidi voltar a correr depois deste "detrato" e pior, além do sofrimento que é locomover este corpanzil nestes primeiros treinos, decidi autoflagelar-me pela terceira vez em cinco edições nesta prova de me faz estar quase 10 horas numa serra a dar trambolhões e a arranhar-me todo, o Trilhos dos Abutres! 
É que eu não gosto nada de ser "feliz"... Ou, como disse o idiota no video em que está andar de skate numa estrada nacional e que por pouco não ficou colado ao para-brisas de um carro como um mosquito: "felicidade é coisa que não me assiste"!
PS - Não esperem que vou postar aqui fotografias minhas das "fases da dieta com exercício", nas quais passaria de balofo a modelo da Armani. Não. É que o natal está à porta e na família há quem alimente bem a "curva da felicidade" sem se preocupar muito com isso e eu sou, como dizia a minha mãezinha, um tipo "influenciável".
Fotografias da edição de 2014 quando ensaiava um visual à "Lumber Jack". Depois da barba crescida reparei que afinal o visual pretendido se aproximava mais de "Pai Natal".






Comentários

Carlos Cardoso disse…
Tens aqui nesta "posta" muita coisa com a qual me identifico :) ...e não só a parte do "quarentão". Força aí nesse regresso, mas sem descurar esse "coisa da felicidade" que carregas contigo na cintura.
E bons Abutres...
Abraço
Sérgio Pontes disse…
Força! Depois das festas, "dás cabo dessa felicidade"

Abraço
Zen disse…
Carlos Cardoso, uma abraço de solidariedade aos quarenta ( quase no fim). Sérgio, espero bem que sim, mas estou com sérias dúvidas ;-) Abraço
Zen disse…
Sérgio Pontes, obrigado, estou a tentar! Bom ano. Abraço

Mensagens populares deste blogue

MEMÓRIAS DA SERRA DA CARREGUEIRA

( Legendo só a última fotografia - este era um tanque de água próximo do quartel onde vínhamos tomar banho no verão na esperança de vermos também umas miúdas que por lá apareciam de vez em quando)

Por vezes basta uma palavra, um encontro com uma pessoa ou o regresso a um lugar, para que a memória se abra como um livro e revele parte da história da nossa vida que afinal, ao contrário do pensamos, ainda está bem viva em nós. Foi o que me aconteceu esta semana com o convite do Luis Miguel para um treino na Serra da Carregueira - Sintra, local onde há 27 anos atrás, estive às ordens do Estado pelo período de 16 meses a cumprir o então "serviço militar obrigatório". Chamava-se na altura "Regimento de Infantaria nº 1", que incluía um dos chamados "Batalhões operacionais de primeira linha" do Exército português, o que significava, homens prontos para uma eventual intervenção militar imediata, isto apesar da guerra colonial ter acabado na altura havia 12 anos e …

À VOLTA DO SANTIS ( PARTE I)

Como o planeado saí de Konstanz para passar uns dias com um amigo nos arredores do cantão suiço de Sankt Gallen. Não tinha ainda nada parecido com um saco de viagem ( que vim a adquirir dias depois na loja da Louis Mottorrad em Bregenz Austria - cidade fronteira com a Suiça e Alemanha) e por isso improvisei a minha bagagem com a mochila e um saco estanque que uso para a canoagem. O dia estava bonito, mais fresco que os anteriores, mas rolar nas estradas suiças e cruzar aldeias e campos é como viajar num imenso jardim ( que cheira um bocadinho a vacaria em alguns sítios). Só tem um senão, os limites de velocidade e os radares na estrada são uma constante e ultrapassar os limites de velocidade em 10km/h por exemplo, dá direito a uma soma "simpática" de 200 francos de multa. Para isso é preciso ir com uma atenção redobrada, sobretudo quando se viaja numa máquina com mais de 100cv pois perde-se faciulmente a noção dos limites de velocidade. É que para eles não há choradinhos, n…

FLORESTA NEGRA E AS RHEIN FALLS (I PARTE)

Zurique
Lago Constance
O mapa da Floresta Negra

As meninas ( aqui no Pass de S. Bernardino uns dias depois)
Depois de uma tarde bem passada a passear pelas ruas da cidade de Zurique e de um mergulho tardio já em Constance na "obra prima" do Reno, o lago Bodensee, o dia seguinte foi o planeado para irmos buscar a minha Kawasaki ZRX a Geisingen para umas voltas de adaptação antes de rumarmos ao norte de Itália para uns dias de "dolce far niente" e umas curvas entre o Maggiore e os contrafortes da grande muralha alpina que ali separa a "nórdica" Suiça da "mediterrânica" (bella) Itália.  Rumamos não pela fresca, mas num dia de "verão alemão" que este ano tem sido longo, acima dos 30º e uma humidade elevada, o que torna o casaco, calças e capacete de mota uma verdadeira sauna. Diz-se por ali, que isso faz parte da "cena motard", se cheirares a suor é sinal que estás equipado em condições, ninguém anda de calções e chinelos numa C…