sexta-feira, setembro 20, 2013

[O Homem da Maratona] SÁLVIO NORA, UM HOMEM DA MARATONA - 2006

Posted by Zen to O Homem da Maratona at 5/10/2006 03:53:00 PM

                                                                       Sálvio Nora

Fotografia: Terras de Aventura

O Homem que eu conhecia mas a quem nunca me apresentei.

o conheci pessoalmente Sálvio Nora. Ou melhor conhecia-o mas nunca a ele me apresentei dizendo: olá eu sou um dos que lêem e comentam com prazer aquilo que escreve.
Dele sei que era um homem simples, amistoso, culto, talvez um humanista e que tinha como prazeres na vida correr, ler (sobretudo poesia), teatro e escrever nos fóruns sobre atletismo, aliás um pouco como eu. É por esta última afinidade que eu o conheci no fórum "Atletas Net" e no tópico, “ O Mundo Fantástico de Ana Pereira” espaço aonde publicava o relato dos seus interessantes afazeres quotidianos, nomeadamente os seus treinos nas paisagens das praias do Furadouro e Cortegaça e as subidas à Serra da Arga na companhia dos seus amigos de sempre, a Guida e o Zé. Com o tempo percebi que não eram só estes dois companheiros que ali estavam, eu também, transportado de um mundo virtual pela intimidade das suas palavras olhava através dos seus olhos uma terra que ele amava, uma natureza que respirava e que tocava delicadamente passada a passada. É com este mágico sentido literário que igualmente me inebriava com o seu gozo pela poesia, pelo teatro, pela orientação e pela corrida, enfim pela vida. Fazia-me rir sozinho, por vezes aparvalhado frente ao computador, com uma ironia que conheci a poucos, mas também quase me fazia chorar quando mexia no lodo dos nossos medos, dos sentimentos habitualmente calados no mar profundo do ser e que emergem num dia qualquer em que nos sentimos pequenos perante o esmagador mistério da existência. O Sálvio era afinal como nós!
Dele quis ser amigo, mas por arrogância, vergonha ou estupidez, não esperei por ele na prova “Trilhos de Monsanto” de 2005 esboçando esse desejo. Pensei, haverá outras oportunidades… Como estou arrependido!
A todos os seus familiares e amigos apenas quero dizer que na angústia da perda, na dor que vos atravessa devem recordar a felicidade dos dias em que tiveram por companhia um grande Homem que se chamou Sálvio Nora.
Obrigado amigo por tudo aquilo que nos destes.

Se eu não morresse, nunca! E eternamente buscasse e conseguisse a perfeição das coisas!”
Cesário Verde

Um forte abraço a todos.


--
Posted by Zen to O Homem da Maratona at 5/10/2006 03:53:00 PM

Sem comentários:

Arquivo do blogue