Avançar para o conteúdo principal

[O Homem da Maratona] ATÉ JÁ - 2006

Posted by Zen to O Homem da Maratona at 6/27/2006 07:40:00 AM
Maratona de Lisboa 2005

Fim-de-semana alegre, bem passado!

Sábado:
- Nha Júlia, bota mais um grogue! Dizia eu no meu mau crioulo de português, motivo de uma bem disposta risada entre os cabo-verdianos presentes.
-Nha Júlia, cachupa sta sabi, un kre mas uma cerveja. Altas horas, funaná, família, amigos, boa disposição.
Tinha de me ir embora, combinei com um camarada o primeiro treino longo depois da lesãnos joelhos. Mas não podia... estava a gostar de estar ali, divertia-me, coisa que não tenho feito nos últimos tempos.
Domingo:
- Futebol, festa, filhos da mãe dos holandeses (árbitro incluído). Treino amanhã, hoje vou dormir, feliz, férias, fixe!
Segunda:
Arrumo a trouxa a toda velocidade. Cinturão de garrafas, uma barra, chapéu, creme nívea, água, óculos e o polar e ala para a Fonte da Telha. Três horas de treino eram o objectivo.
- Não dói é tudo psicológico. Mentalizava-me em voz alta. Raid, raid, raid! Dia fresco para treinar, maré baixa mas a subir, pouca gente. 130 bpm, 60% da frequência cardíaca máxima, ritmo ideal para este tipo de treinos. Primeira hora com algumas dores nos joelhos, os malditos ténis que comprei a entortarem no pé direito (já os troquei), a bebida de laranja que comprei a fazer-me azia. Mau... salva-se a paisagem, linda! O mar a perder de vista, o areal branco, este cheiro de pinhal e mar! Segunda hora de treino, dor, dor e mais dor, tenho de chegar à Fonte da Telha. Cheguei de braços caídos, olhos no chão, raiva, mãos a palparem os joelhos dolorosos e perscrutarem com os dedos aquele ponto de onde a dor irradia. Vou ter de parar. Merda! Até já!
--
Posted by Zen to O Homem da Maratona at 6/27/2006 07:40:00 AM

Comentários

Mensagens populares deste blogue

MEMÓRIAS DA SERRA DA CARREGUEIRA

( Legendo só a última fotografia - este era um tanque de água próximo do quartel onde vínhamos tomar banho no verão na esperança de vermos também umas miúdas que por lá apareciam de vez em quando)

Por vezes basta uma palavra, um encontro com uma pessoa ou o regresso a um lugar, para que a memória se abra como um livro e revele parte da história da nossa vida que afinal, ao contrário do pensamos, ainda está bem viva em nós. Foi o que me aconteceu esta semana com o convite do Luis Miguel para um treino na Serra da Carregueira - Sintra, local onde há 27 anos atrás, estive às ordens do Estado pelo período de 16 meses a cumprir o então "serviço militar obrigatório". Chamava-se na altura "Regimento de Infantaria nº 1", que incluía um dos chamados "Batalhões operacionais de primeira linha" do Exército português, o que significava, homens prontos para uma eventual intervenção militar imediata, isto apesar da guerra colonial ter acabado na altura havia 12 anos e …

NÃO HÁ ALMOÇOS GRÁTIS

Finisher na Maratona de Lisboa 2007
(Fotodesporto)
Depois de duas consultas no CMD ( Centro de Medicina Desportiva) com RX´s e ressonâncias na mão e algumas horas de espera, sou recambiado para uma consulta no Hospital da Cuf com o argumento de que o meu problema era "complexo". Habituado às "complexidades" da vida e sobretudo a perceber como estas alimentam as diferenças de poder e "afirmam" crenças, neste caso de que todas as opiniões médicas são prescritivas ( entre outras opiniões de "especialistas"), pensei, "já vou ficar a arder com mais uns tostões". Mas fui, não fujo ao grupo dos "crentes", mesmo que tenha consciência dos dogmas de uma ciência quase transformada em religião, e confesso que os referidos especialistas são para mim ( e para mais) uma espécie de pastores evangélicos que nos libertam sempre um "aleluia", afinal, algo existe além desta enfadonha ignorância quotidiana na qual a maioria de nós chaf…

SE CÁ NEVASSE FAZIA-SE CÁ SKI

Zé Neves a fazer SKU desde 2010 (sempre a descer)!

Salada de frutas - Se cá nevasse fazia-se cá ski
"Sebastião cá voltasse
Se a moleza se cansasse
Se o Eusébio 'inda jogasse
Ai que fintas que ele faria um dia...
Se o imposto não subisse
Se o emprego não fugisse
Se o presidente sorrisse
Outro galo cantaria um dia...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se...fazia-se...

Há sempre um "se" no caminho
Que me deixa as mãos tão presas
Se eu cortasse o "se" daninho
Talvez me livrasse das incertezas...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se...fazia-se..."