Avançar para o conteúdo principal

[O Homem da Maratona] MAIS UMA CRÓNICA APRESSADA II- 2006

Em 2006 estava de partida para mais umas férias em família... no meu (nosso) sul.

Posted by Zen to O Homem da Maratona at 8/02/2006 08:26:00 AM

Foto: Eu e o meu Jonhy Bravo na praia da Galé - Grândola durante o Melídes - Tróia

Pois é... sigo para o Sul por uma estrada que pela impaciência das crianças parece nunca mais ter fim. Eu de olhos postos na monotonia do alcatrãapenas o adivinho quando as minhas narinas são invadidas pelo cheiro único e doce da combinação das estevas, figueiras e alfarrobeiras temperado a sal à medida que nos aproximamos mais do mar. Mar esse que ainda não sei se é verde, se azul ou dourado, porque a Sul a luz é uma paleta com muitas cores.
Tenho o privilégio de pertencer a este Sul onde se é indolente mas corajoso. Onde a pele e os rostos das pessoas guardam a memória da riqueza da mestiçagem com orgulho. Onde somos todos ao mesmo tempo “ Mouros” e “ Africanos” sem esquecer que somos portugueses. Onde se reza em mesquitas que são igrejas e talvez sinagogas venerando “santos” marxistas.
Na gaveta das memórias alegres da infância estão os caminho do sul ao som repetido das músicas do Roberto Carlos ou de uma Jazz Band que nunca soube o nome no leitor de “cartuchos” do potente “ Ford Cortina XL” do meu Pai. Estão as melancias, melões e meloas comidas a golpe de navalha à beira da estrada enquanto outros viajantes do sul nos acenavam à sua passagem. Estão as sardinhadas comidas num terraço algarvio com o “ Ti Jaquim de Olhão” a dançar um corridinho na companhia da sua espanhola colada ao rádio e para a qual pedia sempre um copo de vinho pois não gostava de beber sozinho, porque solidão já ele sentia aos remos do seu bote durante a faina diária. Está também uma bonita menina de pele de ouro que me fazia tremer de fascínio nos meus pueris seis anos e que mais tarde soube ter sido dama de honor num concurso para Miss Portugal. Estão muitas outras coisas que preciso de desempoeirar e que agora não me apetece contar, revoltado pela injustiça do tempo que mata a todo o instante e como qual lutamos cientes que à partida seremos derrotados, mesmo que a arma seja memória que nos parece sempre mais viva que o presente.
Mais tarde Lagos, dormir na areia da praia, usar o meu primeiro casaco de ganga emprestado, não mostrar B.I para entrar no Tijuana ou no Doors e ver GNR num estádio de futebol a abarrotar a tocar o “quero ver Portugal na CEE”… eu também queria seu "europeu", agora não tenho tanto a certeza disso. Depois Porto-Covo, fogueiras na praia, vida de hippie e namoradas que me diziam “I love You”, com excepção da Isabelinha do Porto que com o seu português terno do norte me dizia “ és cá um murcon… mas és um tipo fixe” e de quem guardo as melhores recordações, sobretudo de uma madrugada a tomar banho nús numa cascata no paraíso de Milfontes. Ah...mil amores!
Levaria horas a escrever sobre Odexeixe, Zambujeira, Melides, S. André, Cercal, Ilha do Pessegueiro, Sines, as furnas em Milfontes, Odemira … eu conheço tantos caminhos do Sul, mas não, talvez mais tarde, salto por agora para o meu passado recente. Levei o meu filho mais velho de férias pela primeira vez para o Sul, a minha pequenita também. A minha mulher e também a ex-mulher, passei com elas as primeiras férias a dois, no Sul. A minha paixão desportiva era mais intensa em Montegordo durante o triatlo com o mesmo nome, não sei, não me perguntem porquê, talvez fosse a travessia da ponte do Guadiana, o fantástico convívio final depois da prova, ou talvez o facto de estar no Sul.
Foi agora no Sul que fui ver o Raid Melides- Tróia do qual escreverei umas linhas depois de voltar do… sul.
Eu ao contrário de muitos Homens que tentam na bússola das suas vidas encontrar o Norte, eu não, eu quero sempre (re) encontrar o SUL.

Boas férias.


--
Posted by Zen to O Homem da Maratona at 8/02/2006 08:26:00 AM

Comentários

Mensagens populares deste blogue

MEMÓRIAS DA SERRA DA CARREGUEIRA

( Legendo só a última fotografia - este era um tanque de água próximo do quartel onde vínhamos tomar banho no verão na esperança de vermos também umas miúdas que por lá apareciam de vez em quando)

Por vezes basta uma palavra, um encontro com uma pessoa ou o regresso a um lugar, para que a memória se abra como um livro e revele parte da história da nossa vida que afinal, ao contrário do pensamos, ainda está bem viva em nós. Foi o que me aconteceu esta semana com o convite do Luis Miguel para um treino na Serra da Carregueira - Sintra, local onde há 27 anos atrás, estive às ordens do Estado pelo período de 16 meses a cumprir o então "serviço militar obrigatório". Chamava-se na altura "Regimento de Infantaria nº 1", que incluía um dos chamados "Batalhões operacionais de primeira linha" do Exército português, o que significava, homens prontos para uma eventual intervenção militar imediata, isto apesar da guerra colonial ter acabado na altura havia 12 anos e …

NÃO HÁ ALMOÇOS GRÁTIS

Finisher na Maratona de Lisboa 2007
(Fotodesporto)
Depois de duas consultas no CMD ( Centro de Medicina Desportiva) com RX´s e ressonâncias na mão e algumas horas de espera, sou recambiado para uma consulta no Hospital da Cuf com o argumento de que o meu problema era "complexo". Habituado às "complexidades" da vida e sobretudo a perceber como estas alimentam as diferenças de poder e "afirmam" crenças, neste caso de que todas as opiniões médicas são prescritivas ( entre outras opiniões de "especialistas"), pensei, "já vou ficar a arder com mais uns tostões". Mas fui, não fujo ao grupo dos "crentes", mesmo que tenha consciência dos dogmas de uma ciência quase transformada em religião, e confesso que os referidos especialistas são para mim ( e para mais) uma espécie de pastores evangélicos que nos libertam sempre um "aleluia", afinal, algo existe além desta enfadonha ignorância quotidiana na qual a maioria de nós chaf…

SE CÁ NEVASSE FAZIA-SE CÁ SKI

Zé Neves a fazer SKU desde 2010 (sempre a descer)!

Salada de frutas - Se cá nevasse fazia-se cá ski
"Sebastião cá voltasse
Se a moleza se cansasse
Se o Eusébio 'inda jogasse
Ai que fintas que ele faria um dia...
Se o imposto não subisse
Se o emprego não fugisse
Se o presidente sorrisse
Outro galo cantaria um dia...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se...fazia-se...

Há sempre um "se" no caminho
Que me deixa as mãos tão presas
Se eu cortasse o "se" daninho
Talvez me livrasse das incertezas...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se...fazia-se..."