Avançar para o conteúdo principal

TRAIL DA LOUSÃ - O REGRESSO À SERRA



E lá fui eu mais uma vez para a liberdade das serras portuguesas, desta vez para fazer o "Trail da Lousã", a versão "curta" de 45km de uma prova maior da AX Trail Series, o UTAX ( 88km). A realização deste evento foi da autoria do conhecido Fernando Pinto, um antigo corredor de aventura ( e não só) e da sua empresa de eventos desportivos, a Go Outdoor, que labora tendo como palco privilegiado as serras e rios do "Maciço Central", explorando actividades que vão da organização de eventos desportivos competitivos, até passeios na serra, descidas de rio, entre outras actividades em natureza. Da sua experiência resultou, como não podia deixar de ser, uma excelente organização de Trail da qual espero beneficiar durante muito tempo.

Salto os pormenores e tento condensar a história desta demanda serrana.

Três anos depois da última prova a sério e com três meses de treino (i) regular, aqui estou, junto de um pórtico de partida montado em Castanheira de Pêra, no meio de mais de 250 homens e mulheres "vestidos a rigor" como eu, prontos para vencermos 45km de serra ensopada pela chuva dos dias anteriores e aproximadamente 2500 desnível positivo. Para certificar isso, havia três abastecimentos e três postos de controlo, todos situados nas belíssimas aldeias históricas de Xisto da Lousã.


Partida! Que serra, que trilhos, que tamanha beleza a 1h30 de carro a partir de Lisboa!

Penso: vida desperdiçada em coisas inúteis se as ocasiões para ser feliz ( na dimensão justa da minha felicidade comungada),estão "logo ali", simples, basta a força de querer, basta a vontade de fazer uma "limpeza do lixo mental" que acumulamos distraídos em "estilos de vida" que nos poluem com o acessório, com o trivial, o material e nos tornam, egoístas, insensíveis aos outros e ao meio, esquecidos do fantástico milagre que é a vida e da oportunidade que é poder vivê-la em liberdade! 

Nevoeiro, castanheiros, ribeiros, cascatas, aldeias de xisto, umas abandonadas outras revitalizadas, pedras escorregadias, afiadas, pássaros, cheiros, verde, vistas... "A paisagem não tem dono"!

Na fotografia acima estava no primeiro posto de abastecimento na aldeia de Xisto do Talasnal ao km 18 e ainda sorria. Seguiu-se um dos troços mais bonitos da serra até à aldeia de Candal, percorrido a meia encosta, subindo gradualmente sempre ao lado de uma levada, um trilho com um pé no precipício em que escorregar ou aumentar a velocidade seria um mergulho garantido no vazio. Ser pássaro por segundos pareceu-me uma ideia fantástica, mas continuo a preferir a condição de homem, apesar dos acasos.

O Abastecimento seguinte seria na aldeia de Xisto da Cerdeira, ao Km 23, seguia-se o resto da "parede" que já havíamos começado até ao alto da Lousã ( 1205mts) e uma vista de encher a alma de poesia ao "amor pátrio", este espaço de subjectividades que nos pertence e ao qual pertencemos, geográfica e culturalmente e que devemos preservar e defender com unhas e dentes das ganâncias e nepotismos de aquém e além. Que país bonito este onde nasci.

"Tudo o que sobe desce", Newton mostrou-me parte da teoria da gravidade através de caminhos de pedra rolada quase a pique, primeiro largos, depois trilhos de pastores transformados em ribeiras pela chuva e que fizeram das minhas pernas a conclusão daquilo que todo o percurso já fizera até ali, objectos estranhos sem comando e nas extremidades dois pés torturados pelas pedras, dentro e fora dos ténis. 

A partir da aldeia do Coentral, o último abastecimento aos 33km, estendia-se um longo tapete até à meta, mas este já parecia ficção, qualquer pequena subida mesmo em estrada, era uma conquista do Evereste e a meta parecia estar "fim do mundo"! Mas cheguei lá ( ao fim do mundo) e não vi monstro nenhum. Vi sorrisos e palavras de "parabéns", cumprimentos e até uma inesperada entrevista em que só me lembro de repetir, "lindo, "lindo", lindo".

Hoje ( domingo), acordei com se tivesse levado porrada de um bando de malfeitores, "estou todo partido"! Porem feliz por este regresso, aos treinos, ao convívio, aos grandes espaços naturais, aos desafios físicos e técnicos, de que tanto gosto e que contrariam, pelo prazer que é viver desfrutando destes prazeres simples, a existência sórdida, incerta e mortificante de cidadão neste país nos tempos que correm.

Classificação 104º da Geral entre 207 "finishers" com 6h34.

Até breve!


Comentários

Mensagens populares deste blogue

MEMÓRIAS DA SERRA DA CARREGUEIRA

( Legendo só a última fotografia - este era um tanque de água próximo do quartel onde vínhamos tomar banho no verão na esperança de vermos também umas miúdas que por lá apareciam de vez em quando)

Por vezes basta uma palavra, um encontro com uma pessoa ou o regresso a um lugar, para que a memória se abra como um livro e revele parte da história da nossa vida que afinal, ao contrário do pensamos, ainda está bem viva em nós. Foi o que me aconteceu esta semana com o convite do Luis Miguel para um treino na Serra da Carregueira - Sintra, local onde há 27 anos atrás, estive às ordens do Estado pelo período de 16 meses a cumprir o então "serviço militar obrigatório". Chamava-se na altura "Regimento de Infantaria nº 1", que incluía um dos chamados "Batalhões operacionais de primeira linha" do Exército português, o que significava, homens prontos para uma eventual intervenção militar imediata, isto apesar da guerra colonial ter acabado na altura havia 12 anos e …

À VOLTA DO SANTIS ( PARTE I)

Como o planeado saí de Konstanz para passar uns dias com um amigo nos arredores do cantão suiço de Sankt Gallen. Não tinha ainda nada parecido com um saco de viagem ( que vim a adquirir dias depois na loja da Louis Mottorrad em Bregenz Austria - cidade fronteira com a Suiça e Alemanha) e por isso improvisei a minha bagagem com a mochila e um saco estanque que uso para a canoagem. O dia estava bonito, mais fresco que os anteriores, mas rolar nas estradas suiças e cruzar aldeias e campos é como viajar num imenso jardim ( que cheira um bocadinho a vacaria em alguns sítios). Só tem um senão, os limites de velocidade e os radares na estrada são uma constante e ultrapassar os limites de velocidade em 10km/h por exemplo, dá direito a uma soma "simpática" de 200 francos de multa. Para isso é preciso ir com uma atenção redobrada, sobretudo quando se viaja numa máquina com mais de 100cv pois perde-se faciulmente a noção dos limites de velocidade. É que para eles não há choradinhos, n…

FLORESTA NEGRA E AS RHEIN FALLS (I PARTE)

Zurique
Lago Constance
O mapa da Floresta Negra

As meninas ( aqui no Pass de S. Bernardino uns dias depois)
Depois de uma tarde bem passada a passear pelas ruas da cidade de Zurique e de um mergulho tardio já em Constance na "obra prima" do Reno, o lago Bodensee, o dia seguinte foi o planeado para irmos buscar a minha Kawasaki ZRX a Geisingen para umas voltas de adaptação antes de rumarmos ao norte de Itália para uns dias de "dolce far niente" e umas curvas entre o Maggiore e os contrafortes da grande muralha alpina que ali separa a "nórdica" Suiça da "mediterrânica" (bella) Itália.  Rumamos não pela fresca, mas num dia de "verão alemão" que este ano tem sido longo, acima dos 30º e uma humidade elevada, o que torna o casaco, calças e capacete de mota uma verdadeira sauna. Diz-se por ali, que isso faz parte da "cena motard", se cheirares a suor é sinal que estás equipado em condições, ninguém anda de calções e chinelos numa C…