Avançar para o conteúdo principal

[O Homem da Maratona] AS CIDADES SÃO... 2006

Posted By Zen to O Homem da Maratona at 12/14/2006 05:15:00 PM






A Professora e Arquitecta Maria de Celeste Ramos  é uma velha senhora de ar excêntrico que um destes dias apareceu na faculdade convidada por um outro professor para nos dar uma aula sobre os " os territórios naturais das cidades". A sua pergunta inicial para a plateia foi: " o que são as cidades"? O grupo, sobretudo constituído na sua maioria por jovens ( no qual eu sou excepção), emudeceu.  " As cidades são as pessoas!”, respondeu alegremente, quebrando um silêncio que para mim já começava a ser incómodo e que me punha na eminência de soltar um disparate. Depois de sabermos que "somos a cidade", a cativante oradora, esteve duas horas a falar da importância das árvores nas cidades e da forma como elas contribuem para perspectivar o espaço urbano, das plantas que encontrou no "nosso" mal tratado jardim da faculdade", do Sol na cidade coado pelas árvores e plantas, do calendário Maia e um sem numero de assuntos que eu considerei preciosidades mas a maioria, uma "seca". Mas a frase, "a cidade são as pessoas" martelou-me o espírito durante estes últimos dias. Ontem nos meus raros treinos urbanos nocturnos, lembrei-me dela novamente ao tentar atravessar uma pequena praia de areia branca da minha infância, a praia privada da "Quinta do Alemão" ( um estrangeiro, industrial da cortiça do inicio do séc XX), hoje aterrada para fazer um moderno "Projecto Polis". Durante a travessia os meus ténis ficaram atolados na lama e ao recuar para tentar libertar-me, tropecei num ferro, cai, desamparado ganindo de dor ao mesmo tempo que berrava uns impropérios contra os filhos de mães rameiras que o tinham lá deixado. Recomposto e na solidão da noite olhei atentamente e em desespero a paisagem onde outrora existiam coisas concretas na minha infância e hoje sobram apenas destroços e muitas memórias. Uma delas, a da "caldeira do alemão" a dois passos dali e onde os putos como eu há 40 anos mergulhavam em acrobacias e quando vazava apanhavam berbigão graúdo. Atrás mim ainda sobram as ruínas de uma fábrica de cortiça ( sempre a conheci assim) e uma outra caldeira que já não recordo o nome e onde íamos às enguias com pedaços de tubo e que vi , ainda na minha juventude, ser aterrada para fazer um campo de futebol. A longo desta, a muralha ( ainda existente), onde atracavam as fragatas carregadas ou vazias das trocas que se faziam nas margens do Tejo. Atracado a estas o bote do bom Ti João Fragateiro, pronto para nos levar por este rio salgado acima e abaixo ao sabor da corrente conforme a maré enchia e vazava, atirando-nos para ela para nos ensinar a nadar mas sempre sem dizer " ó rapaz agarra-te ao remo se estiveres em aflição". A muralha foi também o local onde primo do Chico ( que uma overdose de heroína tratou de levar do mundo dos vivos faz há pouco), morreu afogado depois de um mergulho mais arrojado e a imagem que guardo da tragédia ao ver o seu corpo franzino de 11 anos tapado por um plástico deitado entre as salgadeiras e os restos de ostras próximo desta praia onde agora ainda estou caído. Ao largo a malha dos cercos plantada no lodo e um “enxame” de putos enlameados a apanhar savelhas, enguias, tainhas, robalos e outros peixes que os donos da "arte" deixavam para trás. A pedra aonde nos sentávamos para lançar o “carrapichel” com uma cabeça de peixe-espada lá dentro para apanhar caranguejos que cozíamos na rua numa fogueira improvisada, ainda lá está, não chegou a sua vez de ser "devorada" pela ferocidade da "modernidade".
"As cidades são as pessoas"... continuo a correr, entro no areia húmida deixada pela maré vazia da "Praia da Copacabana" onde tantas vezes nadei e também namorei, corro 600 metros até ao pontão da "seca do bacalhau", "o melhor sítio para apanhar lamejinhas" e regresso, olho na outra margem a Siderurgia onde o alto forno a vazar já não liberta como antes os urros do ferro quente a arrefecer nas calhas e moldes, vejo o meu belo Tejo espelhado na noite por muitas luzes que o rodeiam e lá ao fundo, Lisboa como uma espécie de cidade prometida. Faço 1 hora de corrida neste cenário que vou recompondo, ligando o passado ao presente para que a vida faça sentido e regresso a casa passando pela "Telha Velha", uma pequena localidade agora com os edifícios arruinados, casas vazias entaipadas, mas que já teve correios, mercearia, taberna e um largo cheio de pessoas, muitas velhotas de lenço negro e onde um rapaz deficiente mental me impressionava porque batia repetidamente as costas e a cabeça contra uma parede ( por vezes punham-lhe um capacete). Cruzo o que resta de campos de cultivo, quintas com oliveiras e árvores de fruto abandonadas, e pequenas matas de pinheiros e sobreiros, agora esmagados por prédios de gosto duvidoso e hipermercados que vendem fruta do Chile e bugigangas da China. Corro depressa para chegar à casa da minha Mãe antes de ir para a minha e perguntar-lhe numa mágoa mal disfarçada: “Mãe as cidades são as pessoas, não são?”

--
Posted By Zen to O Homem da Maratona at 12/14/2006 05:15:00 PM

Comentários

Mensagens populares deste blogue

MEMÓRIAS DA SERRA DA CARREGUEIRA

( Legendo só a última fotografia - este era um tanque de água próximo do quartel onde vínhamos tomar banho no verão na esperança de vermos também umas miúdas que por lá apareciam de vez em quando)

Por vezes basta uma palavra, um encontro com uma pessoa ou o regresso a um lugar, para que a memória se abra como um livro e revele parte da história da nossa vida que afinal, ao contrário do pensamos, ainda está bem viva em nós. Foi o que me aconteceu esta semana com o convite do Luis Miguel para um treino na Serra da Carregueira - Sintra, local onde há 27 anos atrás, estive às ordens do Estado pelo período de 16 meses a cumprir o então "serviço militar obrigatório". Chamava-se na altura "Regimento de Infantaria nº 1", que incluía um dos chamados "Batalhões operacionais de primeira linha" do Exército português, o que significava, homens prontos para uma eventual intervenção militar imediata, isto apesar da guerra colonial ter acabado na altura havia 12 anos e …

NÃO HÁ ALMOÇOS GRÁTIS

Finisher na Maratona de Lisboa 2007
(Fotodesporto)
Depois de duas consultas no CMD ( Centro de Medicina Desportiva) com RX´s e ressonâncias na mão e algumas horas de espera, sou recambiado para uma consulta no Hospital da Cuf com o argumento de que o meu problema era "complexo". Habituado às "complexidades" da vida e sobretudo a perceber como estas alimentam as diferenças de poder e "afirmam" crenças, neste caso de que todas as opiniões médicas são prescritivas ( entre outras opiniões de "especialistas"), pensei, "já vou ficar a arder com mais uns tostões". Mas fui, não fujo ao grupo dos "crentes", mesmo que tenha consciência dos dogmas de uma ciência quase transformada em religião, e confesso que os referidos especialistas são para mim ( e para mais) uma espécie de pastores evangélicos que nos libertam sempre um "aleluia", afinal, algo existe além desta enfadonha ignorância quotidiana na qual a maioria de nós chaf…

SE CÁ NEVASSE FAZIA-SE CÁ SKI

Zé Neves a fazer SKU desde 2010 (sempre a descer)!

Salada de frutas - Se cá nevasse fazia-se cá ski
"Sebastião cá voltasse
Se a moleza se cansasse
Se o Eusébio 'inda jogasse
Ai que fintas que ele faria um dia...
Se o imposto não subisse
Se o emprego não fugisse
Se o presidente sorrisse
Outro galo cantaria um dia...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se...fazia-se...

Há sempre um "se" no caminho
Que me deixa as mãos tão presas
Se eu cortasse o "se" daninho
Talvez me livrasse das incertezas...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se...fazia-se..."