Avançar para o conteúdo principal

[O Homem da Maratona] RUMO AO TRAIL- SEMANA Nº 8: SOBE SOBE BALÃO SOBE

Escrevia eu sensivelmente há sete atrás ( Janeiro de 2007) no "Homem da Maratona"...

Posted By Zen to O Homem da Maratona at 1/08/2007 03:14:00 AM



(Foto Machada Runners)

Se a meio da semana pensei que ia rebentar, hoje sinto-me como se pudesse voar.

Mais uma semana de “rumo ao trail”. O Moutinho não se decide quanto à data do Trail, eu não consigo “acertar as agulhas” de forma a arranjar disponibilidade necessária para nele participar, mas como vou treinando como objectivo de o fazer, revigora-se em mim o prazer de correr de outros tempos, a motivação de ir novamente a provas e encontrar amigos, trocar sorrisos, piadas, competir e (re)viver aquele ambiente de festa tãcaracterístico dos acontecimentos desportivos, mais concretamente do atletismo com o qual estou mais "familiarizado".
Se na quarta-feira sentia-me como se fosse um balão acabado de encher por duas semanas de banquetes, hoje, sinto-me como se fosse um balão rebelde libertado para o espaço depois de uma distracção infantil ( que as criancinhas me perdoem a metáfora). É que apesar de cheio, chego à conclusão que afinal sou livre! Uma sensação criada durante e depois de 4 treinos “libertadores” ao longo semana que passou.
Na quarta-feira depois de escrever o “post” anterior ( Rumo ao Trail semana nº 7), parti de casa a caminho da Mata da Machada com a impressão que alguma coisa na Lei da Gravidade teria alterado nos últimos 15 dias. Pior que a “cola que cola cientistas ao tecto” (uma tragédia para a ciência), a consequência da minha gula era mais uma espécie de “cola que cola corredores ao chão”. Quando já tinha cerca de uns 40m de corrida, encontro alguns companheiros que me dão alento e alimentam a minha fantasia com empreendimentos desportivos para 2007 e desta forma lá vou “descolando” o suficiente para conseguir fazer 1.10m sem nenhum ataque cardíaco ( imaginam a quantidade de gordura que a malta consome nestas "quadras festivas"?! Eu sei que sim!) ainda por cima a “papaguear” que afinal "Newton tinha razão, eu é que estava pregado ao chão"! Quinta-feira, uma sessão de 50m de marcha/corrida em subidas e descidas equipado com mochila e bastões de caminhada para trabalhar a coordenação e as condições em que provavelmente irei competir no Trail Caminhos de Santiago.Na sexta-feira um “Trotsky” (como diz o Jorge) de 1.30 (ainda bem que não foi um Estaline, senão…). E ontem ( Domingo) um “longão” ( um pouco “abrasileirada” esta palavra não vos parece?) com o maratonistas, ultramaratonistas, aventureiros, triatletas, karatecas e outras espécies raras ( presumo que não haja bombistas suicidas, pois parece-me que o “radicalismo” se fica apenas pelo desporto) Machada Runners e “sus hermanos”. Foram, 3h10 para 32.300m, numa média aproximada de 5.40/Km num perímetro compreendido entre a Mata da Machada-Quinta do Anjo-Penalva e Mata daMachada em amena cavaqueira ( eu a falar mais do que a ouvir e o meu amigo Freud a coçar a cabeça e a dizer “oh Zen, o que é que eu lhe disse na sessão anterior”? e disposição fantásticas. O grupo não se separou até próximo do final, com aqueles que melhor estão neste momento da época a “disparar”a 3km do fim do treino. Confesso que acabei “todo roto” na companhia do Vítor Silva (o camarada da boa disposição no fórum Mundo da Corrida,  um bom conversador nato (talvez porque sabe ouvir mais do que falar)!
Uma semana Zen sem dúvida, com menos calorias, mais treinos e boa disposição geral ( ai o trabalhinho que vou ter este mês e no próximo…).
DIA 28 RUMO Á MARATONA DE BADAJOZ!


--
Posted By Zen to O Homem da Maratona at 1/08/2007 03:14:00 AM

Comentários

Mensagens populares deste blogue

MEMÓRIAS DA SERRA DA CARREGUEIRA

( Legendo só a última fotografia - este era um tanque de água próximo do quartel onde vínhamos tomar banho no verão na esperança de vermos também umas miúdas que por lá apareciam de vez em quando)

Por vezes basta uma palavra, um encontro com uma pessoa ou o regresso a um lugar, para que a memória se abra como um livro e revele parte da história da nossa vida que afinal, ao contrário do pensamos, ainda está bem viva em nós. Foi o que me aconteceu esta semana com o convite do Luis Miguel para um treino na Serra da Carregueira - Sintra, local onde há 27 anos atrás, estive às ordens do Estado pelo período de 16 meses a cumprir o então "serviço militar obrigatório". Chamava-se na altura "Regimento de Infantaria nº 1", que incluía um dos chamados "Batalhões operacionais de primeira linha" do Exército português, o que significava, homens prontos para uma eventual intervenção militar imediata, isto apesar da guerra colonial ter acabado na altura havia 12 anos e …

NÃO HÁ ALMOÇOS GRÁTIS

Finisher na Maratona de Lisboa 2007
(Fotodesporto)
Depois de duas consultas no CMD ( Centro de Medicina Desportiva) com RX´s e ressonâncias na mão e algumas horas de espera, sou recambiado para uma consulta no Hospital da Cuf com o argumento de que o meu problema era "complexo". Habituado às "complexidades" da vida e sobretudo a perceber como estas alimentam as diferenças de poder e "afirmam" crenças, neste caso de que todas as opiniões médicas são prescritivas ( entre outras opiniões de "especialistas"), pensei, "já vou ficar a arder com mais uns tostões". Mas fui, não fujo ao grupo dos "crentes", mesmo que tenha consciência dos dogmas de uma ciência quase transformada em religião, e confesso que os referidos especialistas são para mim ( e para mais) uma espécie de pastores evangélicos que nos libertam sempre um "aleluia", afinal, algo existe além desta enfadonha ignorância quotidiana na qual a maioria de nós chaf…

SE CÁ NEVASSE FAZIA-SE CÁ SKI

Zé Neves a fazer SKU desde 2010 (sempre a descer)!

Salada de frutas - Se cá nevasse fazia-se cá ski
"Sebastião cá voltasse
Se a moleza se cansasse
Se o Eusébio 'inda jogasse
Ai que fintas que ele faria um dia...
Se o imposto não subisse
Se o emprego não fugisse
Se o presidente sorrisse
Outro galo cantaria um dia...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se...fazia-se...

Há sempre um "se" no caminho
Que me deixa as mãos tão presas
Se eu cortasse o "se" daninho
Talvez me livrasse das incertezas...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se...fazia-se..."