Avançar para o conteúdo principal

[O Homem da Maratona] RUMO AO ULTRATRAIL CAMINHOS DE SANTIAGO : FALTAM 100 DIAS -2007

Em 2007 faltavam 100 dias para a realização da 1ª edição dos Caminhos de Santiago Trail Aventura ( Ponte de Lima- Santiago de Compostela).
Hoje (DEZ 2013) mudava algumas partes deste texto escrito então no blogue "O Homem da Maratona", mas não o faço pela fidelidade à história pessoal. Fica o original" assinalando o continuo processo de evolução da minha visão sobre a realidade.



Título: Monte Castro-Subida do Cacheiro- etapa entre Redondela e Pontevedra, aproximadamente no km 100 do percurso.
Autor: José Moutinho


Dou uma vista de olhos ao contador regressivo aqui do blog e reparo que faltam 100 dias para a grande aventura do ano: o Caminho de Santiado Trail Aventura. 100 dias de treinos e expectativas, 100 dias de imaginação dos pequenos pormenores, como a compra de ténis adequados para o percurso, a mochila, os abastecimentos, a dúvida se levarei os "bastões" de caminhada, a roupa a viagem e um sem numero de coisas que me ocupam a mente dia após dia. Costumo dizer: "se tivesse começado nisto aos 20 anos, a minha vida hoje seria totalmente diferente" é que adoro aventura, adoro correr e estar em natureza! Mas não foi, foi aos 30, já condicionado por muitas decisões tomadas anos antes na escolha do "percurso" e que no presente limitam a liberdade de poder ir quando e onde me apetece, ainda assim, liberdade.
A vida é um pouco parecida com a actividade de "Orientação", um tipo tem um mapa após o nascimento que se vai construindo há medida da experiência que vamos tendo na descoberta do mundo, os nossos pais e a sociedade assinalam as "balizas", criam a legenda com os “obstáculos” e outras “referências no terreno”, nós os resto ( as cores os relevos e outros pormenores). Por vezes, as referidas balizas estão em terrenos íngremes, com silvas ou inacessíveis para alguns, pela sua condição física, mental, social, sem que os "traçadores de percursos” ( ou mesmo nós que também desenhamos o mapa por vezes grosseiramente) tomassem isso em conta. No entanto, um dos instrumentos mais importantes da orientação, temo-lo nós: a bússola (não me perguntem como é que ela me veio parar às mãos, mas desconfio que será por força da minha condição de ser vivo com consciência:-). Este objecto que nos orienta grande parte da vida, também se avaria por diversos motivos, a maioria deles internos, mas também por interferência de externos. Sem bússola (ou com ela temporariamente avariada) estamos desorientados e perguntamos aos que connosco se cruzam durante o percurso: "qual o melhor caminho para alcançar aquela baliza?", uns encolhem os ombros, outros indicam-no erroneamente, outros ainda (raros) oferecem-nos ferramentas para reparar a bússola, dão-nos indicações para melhor funcionarmos com ela mas não nos indicam o caminho, ensinam que somos nós a escolher caminho. Se saltarmos balizas corremos o risco de ser desclassificados, mas podemos sempre voltar atrás nem que seja mais tarde. Com que consequências? Cada sabe das suas. Eu sei das minhas! O certo é que ainda estou em prova apesar do mapa ser difícil e do raio da bússola se avariar de vez em quando. Uma coisa aprendi com todos os “erros”, não há “mapas” fáceis (pudera, uma coisa é o mapa outra é o terreno real). Aprendi igualmente a identificar aqueles que de uma forma ou de outra me ensinam a utilizar as referidas ferramentas quando preciso delas para reparar a minha "bússola" e a saber escolher para onde devo ir e não aqueles que me dizem para onde devo ir (um pequena grande diferença que na orientação é fundamental).

( que raio não há meio de tornar isto um blog 100% desportivo mesmo com metáforas “desportivas” e o tempo para outras coisas vai escasseando…)

Comecei eu nos “100 dias para o Trail”…

Podem ver fotografias e relatos sobre o percurso no “Tópico: Trail, corridas de montanha e ultramaratonas do fórum o mundo da corrida" ( clicando aqui).


--
Posted By Zen to O Homem da Maratona at 1/18/2007 01:42:00 AM

Comentários

Mensagens populares deste blogue

MEMÓRIAS DA SERRA DA CARREGUEIRA

( Legendo só a última fotografia - este era um tanque de água próximo do quartel onde vínhamos tomar banho no verão na esperança de vermos também umas miúdas que por lá apareciam de vez em quando)

Por vezes basta uma palavra, um encontro com uma pessoa ou o regresso a um lugar, para que a memória se abra como um livro e revele parte da história da nossa vida que afinal, ao contrário do pensamos, ainda está bem viva em nós. Foi o que me aconteceu esta semana com o convite do Luis Miguel para um treino na Serra da Carregueira - Sintra, local onde há 27 anos atrás, estive às ordens do Estado pelo período de 16 meses a cumprir o então "serviço militar obrigatório". Chamava-se na altura "Regimento de Infantaria nº 1", que incluía um dos chamados "Batalhões operacionais de primeira linha" do Exército português, o que significava, homens prontos para uma eventual intervenção militar imediata, isto apesar da guerra colonial ter acabado na altura havia 12 anos e …

NÃO HÁ ALMOÇOS GRÁTIS

Finisher na Maratona de Lisboa 2007
(Fotodesporto)
Depois de duas consultas no CMD ( Centro de Medicina Desportiva) com RX´s e ressonâncias na mão e algumas horas de espera, sou recambiado para uma consulta no Hospital da Cuf com o argumento de que o meu problema era "complexo". Habituado às "complexidades" da vida e sobretudo a perceber como estas alimentam as diferenças de poder e "afirmam" crenças, neste caso de que todas as opiniões médicas são prescritivas ( entre outras opiniões de "especialistas"), pensei, "já vou ficar a arder com mais uns tostões". Mas fui, não fujo ao grupo dos "crentes", mesmo que tenha consciência dos dogmas de uma ciência quase transformada em religião, e confesso que os referidos especialistas são para mim ( e para mais) uma espécie de pastores evangélicos que nos libertam sempre um "aleluia", afinal, algo existe além desta enfadonha ignorância quotidiana na qual a maioria de nós chaf…

SE CÁ NEVASSE FAZIA-SE CÁ SKI

Zé Neves a fazer SKU desde 2010 (sempre a descer)!

Salada de frutas - Se cá nevasse fazia-se cá ski
"Sebastião cá voltasse
Se a moleza se cansasse
Se o Eusébio 'inda jogasse
Ai que fintas que ele faria um dia...
Se o imposto não subisse
Se o emprego não fugisse
Se o presidente sorrisse
Outro galo cantaria um dia...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se...fazia-se...

Há sempre um "se" no caminho
Que me deixa as mãos tão presas
Se eu cortasse o "se" daninho
Talvez me livrasse das incertezas...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se cá ski...
Se cá nevasse fazia-se...fazia-se..."